NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sexta-feira, 15 de Janeiro de 2021
AMBIENTE
Quinta-feira, 03 de Dezembro de 2020, 15h:48

PERIGO À VISTA

Cinzas de queimada podem causar outra tragédia no Pantanal

Com as tempestades, uma nova tragédia ambiental pode ser a morte de milhares de animais - desta vez, na água

Da Redação
Reprodução/TV Globo
As cinzas de incêndios florestais podem causar a mortandade de peixes em rios, córregos e lagos

Neste momento, a região Centro-Oeste vive uma onda perigosa de calor, com recordes de temperatura alta e intensificação dos incêndios florestais.

As chuvas são muito aguardadas para amenizar o calor e ajudar a controlar, finalmente, a temporada seca mais letal da história do Pantanal.

Daados divulgados nesta quinta-feira (3) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) indicam 18.259 focos de incêndio na região, maior registro da história e alta de 46% em relação a 2019.

Mas, quando as primeiras tempestades chegarem, uma nova tragédia ambiental com a morte de milhares de animais será desencadeada, desta vez na água.

Quando a floresta é queimada, toneladas de gases são jogadas na atmosfera contribuindo para o aumento do efeito estufa e, consequentemente, para as mudanças climáticas globais.

Parte da matéria orgânica carbonizada fica no solo, que, depois, será carreada pelas águas das chuvas até rios e lagoas.

Na água, esse material irá se decompor, e nesse processo, a oxigenação da água diminuirá muito, matando peixes por asfixia e causando danos a praticamente todas as espécies que vivem na água.

Como os rios da região, incluindo o Rio Paraguai, registram secas históricas, o volume baixo de água tornará esse processo, chamado de decoada, ainda mais intenso.

Quem explica é o professor Wilkinson Lopes Lázaro, pesquisador do Centro de Estudos em Limnologia, Biodiversidade e Etnobiologia do Pantanal da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat).

Ele faz parte de um grupo de pesquisa com especialistas em várias áreas - biólogos, geógrafos, economistas, engenheiros ambientais e cientistas sociais - que tentam entender o que está impactando os recursos hídricos da região.

“Entre 2008 e 2018, houve uma mudança no padrão das chuvas na região, com diminuição da precipitação em aproximadamente 16%. Foram mais dias sem chuva na época mais seca do ano e diminuição no volume das chuvas desse período de estiagem”, explicou.

"A decoada não ocorre por causa das cinzas. Na verdade, são as cinzas que têm o potencial de aumentar a decoada, que é um fenômeno natural dentro do Pantanal"

O grupo do professor Lázaro e outros em todo o mundo também querem esclarecer por que a seca deste ano na região foi tão atípica

Há muitas hipóteses e elas não são excludentes: expansão da pecuária sobre zonas úmidas; um padrão cíclico da região ainda pouco conhecido (o Pantanal também pode viver cheias atípicas); influência das mudanças climáticas no padrão de precipitação; e intensificação do fenômeno La Niña (um resfriamento prolongado das águas do Pacífico que altera o tempo em todo o continente, podendo tornar o Centro-Oeste temporariamente mais seco).

Com informações da Unemat


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Qual deve ser a prioridade do 2º mandato do prefeito Emanuel Pinheiro?
Melhorar o transporte coletivo
Tornar a Saúde Pública acessível a todos
Ampliar a Assistência Social
Educação para todos
PARCIAL