NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sexta-feira, 03 de Julho de 2020
ARTIGOS
Quinta-feira, 03 de Janeiro de 2019, 18h:00

JOANICE DE DEUS

Libras

Em um dia histórico para o país a primeira dama Michelle Bolsonaro, quebrando protocolos, fez seu discurso em Libras. Nunca antes na história desse país uma mulher roubou a cena em uma cerimônia de posse presidencial, até então. Michelle usou a segunda língua do nosso país para agradecer e esse ato tornou a Libras notória no Brasil. A língua de sinais constitui o elemento identificatório dos surdos, e o fato de constituir-se em comunidade significa que compartilham e conhecem os usos e normas de uso da mesma língua. É por meio da comunicação que o homem aprende a viver e conviver em sociedade. Sendo assim, a comunicação humana é fundamental para a evolução do homem como pessoa e cidadão. A Língua Brasileira de Sinais, ou Libras, como é normalmente reconhecida, é a língua dos surdos brasileiros. Como todas as línguas naturais, a Libras compartilha características que lhes são únicas e que a identificam enquanto língua, diferenciando-as de outros sistemas de comunicação. O Brasil é um dos países que já oficializou a língua de sinais como língua própria dos surdos brasileiros. Segundo legislação vigente, desde abril de 2002, a Libras constitui um sistema linguístico de transmissão de ideias e fatos, oriundos da comunidades surdas do Brasil, nas quais há uma forma de comunicação e expressão, de natureza, visual-espacial, com estrutura e gramática própria. A língua de sinais é tão eficaz quanto a oral, pois é plena e tem estrutura gramatical própria, permite a expressão de qualquer significado, pois contém todos os mecanismos adequados de comunicação. No entanto, para ocorrer avanço nesta área, faz-se necessário o treinamento de intérpretes e professores, para que utilizem a Libras com maior facilidade. No que diz respeito ao preconceito, ele existe, visto que o surdo, na maioria das vezes, não consegue estabelecer contato com o ouvinte. A discriminação vem do ato de encarar o outro como alguém menor ou menos capaz do que o eu. Isto, no entanto, é algo cultural, que nenhuma lei no mundo sozinha pode mudar. Portanto, a língua de sinais deve passar a ser reconhecida na prática social como como realmente nossa, defendendo-a e procurando aprender mais sobre ela. * JOANICE DE DEUS é repórter

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O que você achou da decisão da Justiça de decretar lockdown em Cuiabá e VG?
Acertada
Demorou
Antes tarde...
Tanto faz
PARCIAL