NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sábado, 04 de Julho de 2020
ARTIGOS
Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2019, 17h:41

LEITOR

Mendes e a calamidade financeira

Os eleitos nos últimos pleitos tinham conhecimento da necessidade de reduzir o tamanho do Estado Federal, Estadual e Municipal, já que a economia encontra-se devagar quase parando. Herança braba da esquerda. Já somos campeões nos tributos, uma vergonha para qualquer trabalhador deixar cerca de 50% do que ganha retido como "imposto", em tudo que paga. Para melhor entender, "se você compra um sapato, uma camisa, gasolina, energia, outros, e paga 100,00 reais, pagou nesse ato cerca de 50,00 reais de impostos. E não adianta espernear o imposto já vem embutido no que você paga. Ai reside o problema. Toda troca de administrador leva consigo uma nova equipe que vai somar a já existente. Reduzir o tamanho do estado equilibraria o orçamento publico e consequentemente os impostos, objetivo da população que trabalha e sustenta a estrutura do estado. ACIR CARLOS OCHOVE, Cuiabá/MT ochove@terra.com.br *** Digo e afirmo o problema dos estados estarem falidos é simplesmente do TCE. Primeiramente deveria ser mostrado a competência do órgão, depois a folha de gasto que esse órgão gera e aí por último analisar suas benesses para a sociedade, chegaremos a conclusão que se passa de um órgão falho, omisso e condizente. Por favor investiguem e vou além enquanto não houver concurso sério para o cargo de conselheiro dentre outros, não vai mudar. DIEGO FREITAS, Cuiabá/MT *** E experimentar parar de roubar os cofres públicos? Já tentaram essa receita? Só fala em aumentar, taxar, cobrar, exigir pagamento de multas, etc, e ferro em quem produz com a corda no pescoço. Agora diminuir 70% de duodécimos, cortar cargos de confiança, aspones, cortar superfaturamento, desperdícios etc.... Isso não dá né governador, afinal como vocês vão arrumar grana para bancar esse luxo que vivem todas as autoridades? E você tá pouco preocupado com quem produz, afinal é um falido e não entende nada disso, então pau no lombo dos empreendedores em geral. RAIMUNDO ALBUQUERQUE, Várzea Grande/MT *** Decretado o estado de calamidade financeiro pode continuar pagando acima do teto? Incentivo fiscal pode? Licitar pode? Adicional de 100% ferias MP e TJ pode? VI e penduricalhos de deputados Pode e seletas carreiras pode? Decreto piada! Vai enganar a quem com o circo da tv? Tudo o que falou lá tá onde escrito? Sem arrecadação não vai ter economia nenhuma? Me engana que eu gosto! Resposta: não pode e não esta em decreto nenhum.. Puro teatrooo!!! SILAS SAMPAIO, Cuiabá/MT *** No próximo pleito eleitoral vamos votar em massa em servidor público de carreira para governador, pelo menos são pessoas já habilitadas na gestão da coisa pública. Não dá para encarar um mal gestor das próprias empresas e pensar que teria capacidade de intervir positivamente onde não tem a mínima competência. ROBERTO SILVA, servidor público, Chapada dos Guimarães/MT A Terra plana não é plana! A terra é plana, o homem não foi à lua, que aliás é de queijo e hospeda São Jorge e o dragão. ERICO DE MELLO, agrônomo, Cuiabá/MT erico.emc@gmail.com 85% do desmatamento no Estado é ilegal É Vergonhoso, nossas autoridades não ter condições de impedir o desmatamento em nosso Estado. Será que é por falta de dinheiro ou por falta de interesse?, Se os órgãos competentes não agem, por que de sua existência? NEVES DE JESUS RODRIGUES, Cuiabá/MT nevesj.rodrigues53@gmail.com Joaquim Murtinho Joaquim Murtinho, bem retratado pelo articulista, restaurou as finanças do Brasil num período conturbado. É uma das glórias de Mato Grosso e do Brasil, hoje tão carente de figuras como ele. MANOEL SATURNINO CUNHA FILHO, produtor rural – historiador, Cuiabá/MT manoelcunhafilho@hotmail.com ‘Às escondidas’, umbanda cresce em Mato Grosso Sou de Sorriso-MT, e uma apaixonada pela Umbanda. Pena que não exista nenhum templo aqui, o preconceito é grande mesmo. Mas o bem sempre foi perseguido por onde passa. Gostaria de frequentar um templo. DENYELE CRISTINA CAVALACANTE BERGAMASCHI, Auxiliar Administrativo, Sorriso/MT denyele.cristina@gmail.com No cerrado, 1.140 espécies de plantas ameaçadas Infelizmente, é uma triste realidade. Hoje, quem com 10 anos de idade em Cuiabá, conhece frutas como por exemplo: manga rosa, coroa de frade, jatobá, fruta de veado, tamarino, bocaiuva, mangaba, marmelada, jambo, cajá amarelo, siputa, arichicum, pitomba e outras que não me recordo? O secretário Stopa, vem fazendo um ótimo trabalho nesta secretaria. Como sugestão, deveria produzir mudas destas espécies e fazer uma grande divulgação no dia da entrega aos moradores. Nossa geração pode até não colher e deliciar com seus frutos, mas, com certeza nossos filhos e netos sim. Cuiabá 300 anos, 30.000 mudas nativas plantadas em casas, condomínios praças e orla. MARIO MARCIO DA COSTA E SILVA, eng.civil, Cuiabá/MT mariomarcio1959@bol.com.br Parada, obra de aquário deve entrar em licitação neste mês Como seria um estufamento de vidro? O secretário de Obras desconhece as propriedades do vidro. Primeiramente, a palavra "estufar" é inapropriada para a questão, visto que teria que submeter o vidro a uma estufa, não é o caso. Em segundo, o vidro não absorve água para chegar em condições de ‘estofamento'. MAXWELL TEIXEIRA, Cuiabá/MT max2teixeira@gmail.com

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O que você achou da decisão da Justiça de decretar lockdown em Cuiabá e VG?
Acertada
Demorou
Antes tarde...
Tanto faz
PARCIAL