NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 05 de Agosto de 2020
ARTIGOS
Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2016, 20h:00

WILSON CARLOS FUÁH

O político e o construtor

Conheci um construtor de viola de cocho, que tinha o nome de “Jhão-Jhão”, mal-humorado, pouco estudo, muita sabedoria popular, e detestava qualquer tipo de político. Ele dizia sempre que o Ser Político tem as suas características inconfundíveis: sorridente, apertador de mãos, “abraçador” de pessoas, amante de falatório, mentiroso por excelência, e procura pentear o cabelo sempre para trás, com isso tornando a cara ainda mais “lambida”, talvez para passar uma imagem de cinismo com a maior naturalidade, com raríssima exceção. A viola de cocho é confeccionada de um tronco interiço da madeira de Ximbuva, que vai sendo esculpido usando o facão e formão, até ser transformada no formato de uma viola e escavada em forma de cocho que corresponde à caixa de ressonância, e em cima desse cocho é fixado o tampão de piúva branca, e se completa a sua construção com o cavalete de cedrinho, que é composta de escala, rastilho e cravelhas, sendo que as cordas eram feitas de “tripa” de macaco, mas hoje em substituição é usada linha de pescar, para não extinção dessa espécie animal. Certo dia fui testemunha de um encontro entre um político e o escultor/cururueiro sr. “Jhão-Jhão”. O político foi ao Rancho do construtor de viola de cocho, e viu um enorme tronco de Ximbuva. E perguntou: o que você vai fazer com esse pesado tronco? - Estou idealizando e planejando, antes de começar a minha tarefa, pois eu lido com trabalho rústico e ao mesmo tempo depende da leveza da minha alma, pois é nela que encontro o poder da inspiração, e o meu trabalho depende exclusivamente da minha criação. Antes de começar a minha tarefa com esse pesado tronco, gravo em minha memória a visualização de uma futura viola de cocho. O político, surpreso, disse: eu não sabia que um escultor planeja e idealiza a sua inspiração, pensei que fosse realizado através de processo do “fazejamento”. - Isso de idealizar a construção de uma peça definitiva e trabalhosa faz parte da minha tarefa, mas saiba que construir uma obra com imagem de espelho quebrado é coisa para políticos, afirmou o sr. “Jhão-Jhão”, pois o político ao elaborar o seu Plano de Governo o faz sem sentimento e sem inspiração, e quando já eleito amassa-o e joga fora como se fosse apenas um calhamaço inútil, sem o mínimo de respeito com o eleitor, pois na verdade seu Plano de Governo não nasceu da sua verdade interior, não existe sentimento no seu trabalho. Mas, quando você vê um artesão como eu, que lido em minha tarefa criativa com um tronco de Ximbuva com peso muito superior às páginas do seu Plano de Político, portanto avesso às suas atividades... - Por isso, com certeza eu penso muito diferente dos senhores políticos, que durante o seu mandato podem mudar de ideia e amassar o programa mentiroso que foi passado ao povo, como se fosse apenas um simples bloco de papel traduzido em peso de insignificante um grama, e sem nenhum constrangimento é colocado no esquecimento ou jogado no lixo. Penso que tanto o trabalho do político como do construtor da viola de cocho é nobre e em sua essência ambos são difíceis para ser concluídos: precisa–se de criatividade, sacrifícios e fé. O importante é saber que por mais que a sua tarefa seja trabalhosa, ela será sempre nobre, e será sempre abençoada, pois com a remuneração do seu trabalho você poderá comprar o alimento para o seu corpo e se esse dinheiro vier de forma honesta trará conforto para sua alma. O importante é que seu recurso seja o resultado do seu trabalho justo e honesto. Só assim você será reconhecido por tudo aquilo que fez e também pelo que você é. * WILSON CARLOS FUÁH, economista, especialista em Recursos Humanos e relações sociais e políticas. wilsonfua@gmail.com

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Como você vê as acusações entre Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro sobre o caos na pandemia?
O governador é o culpado
O prefeito da Capital também tem culpa
Essa briga prejudica as ações de combate à Covid-19
É uma disputa político-eleitoral
PARCIAL