NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 08 de Julho de 2020
ARTIGOS
Segunda-feira, 07 de Janeiro de 2019, 17h:54

LEITOR

Servidor público: expediente volta a ser de 8 horas

Uma boa medida, principalmente para o Detran, onde o sistema só fica fora do ar. Na PGE, colocar atendente específico para despachante, que quando chega na sua vez, fica quase o dia inteiro, ganham por placa de carro. Nada contra, mas se organizar todos ganham, principalmente o estado que está até seco por grana. Não é? MARIO MARCIO DA COSTA E SILVA, eng.civil, Cuiabá/MT mariomarcio1959@bol.com.br Vereadores querem anular inauguração do HMC Ninguém em sã consciência consegue entender o porquê dessa inauguração! Ora inaugurar é sinônimo de começar, iniciar atividade , não é o que acontece neste caso, inaugurar um hospital é dar atendimento clínico aos que necessitam desses serviços, se não tem como atender essa clientela , não pode e não deve inaugurar, simples assim, outra coisa, a população, digo, nós cidadãos, devemos cobrar dos nossos Vereadores uma fiscalização mínima nas obras sob responsabilidade do município, afinal foram eleitos para isso, por que não o fazem? Por conivência? por incompetência? ou nem sabem que possuem essa prerrogativa?Se não sabem deveriam saber, até porquê são muito bem pagos para tal função, de que adianta termos vinte e cinco representantes no Legislativo Municipal se os mesmos não conhecem suas reais funções, e infelizmente a culpa é nossa que além de escolhemos mal não acompanhamos os trabalhos daqueles que nomeamos. Bom dia! LEANDRO PINTO DE OLIVEIRA FILHO, Marceneiro, Cuiabá/MT leandropintofilho@hotmail.com Mato Grosso registra 530 denúncias de corrupção Realmente o portal melhorou bastante neste governo, pena que o cidadãos brasileiros acessam apenas a remuneração dos servidores. JOÃO PROCÓPIO, Cuiabá/MT Vírus podem causar doenças neurológicas Parabéns pelo alerta, mas vejo que, ainda, ninguém tem coragem de falar das doenças espalhadas por pombinhas e por gatos de rua, tenho amigos que morreram ou ficaram cegos por tal causa. ERICO DE MELLO CAMPOS, agrônomo, Cuiabá/MT erico.emc@gmail.com Estudo aponta retorno com incentivos Fico curioso, pensando, porque será quando alguém é "desconhecido", no ambiente dos famosos e competentes em suas atividades/ações, é classificado de "João Ninguém"? Por que não Jandir, Pedro, Manoel, José...?! Enquanto não me explicam/convencem, vamos ao comentário. O programa Prodeic, de Mato Grosso, foi instituído a partir de 2004 e está sendo "elogiado" pela Fiemt, na pessoa de seu presidente. Considerando não haver maiores detalhes quanto às metodologias aplicadas - pelo menos a um "leigo" como eu -, dali aproveito o que já pensava há mais de trinta anos: "o incentivo fiscal sequer deveria ser classificado como "renúncia", pois só se renuncia a algo que já se possui". Exatamente! O que merece credibilidade, por coerência, que novas empresas passam a depender de novos empregados que, por sua vez, passam a ter um rendimento que são revertidos, predominantemente, ao consumo, gerando, por consequência, aumento de receitas pela tributação, com as "benesses" para qual são criados os tributos, onde incluem-se o consumo desses produtos isentados e, naturalmente, contribuindo para melhorar os índices de IDH. Quando me referi a "detalhes", foi no buscar entender/saber de onde vieram os números: incentivo de R$ 1,4 bilhão e o retorno de R$ 1,7 bilhão. Retorno para quem? Sob que forma? O incentivo é "isenção e/ou redução" de tributos, no caso, ICMS e, considerando que quem paga esse - e todos os demais - tributos é o consumidor, então, esses produtos "isentados", passaram a ter um preço de venda menor e, em tendo, seria um concorrência desleal aos de mesma atividade e, em não, passa a ser um "lucro extra" exorbitante aos "incentivados", posto que 17,00% de ICMS, por dentro, passa a ser de 20,48(192)%, ou seja, o consumidor paga para o empresário montar/estruturar sua empresa, ou não é assim? Além do mais, toda vez que leio/ouço na mídia, presidentes de associações de classes empresariais "falando bem" de ações governamentais na área tributária, podem apostar, estão levando vantagem e, notem, estou falando de ações a descoberto, mas, como sabemos, temos muitos empresários de diversos segmentos sendo processados judicialmente por terem usados de "jeitinho" para obter tais benefícios ou semelhantes. Ah, claro que não vou ter respostas, afinal chamo-me João. JOÃO GALDINO DE MEDEIROS, Economista – Tributólogo, São Paulo/SP jgaldinomedeiros@hotmail.com Facção criminosa movimentou R$ 52 milhões Justiça corta o cabresto em quando é cedo vamos queimar a espora desse povo. JOÃO J. MANTES, aposentado, Cuiabá/MT jjose-m@hotmail.com Operação expõe fragilidade no licenciamento O CAR é declaratório pelo produtor rural. Porquê nenhum produtor rural foi preso ? ERICO DE MELLO, agrônomo, Cuiabá/MT erico.emc@gmail.com VG tenta negociar R$ 80 mi com inadimplentes Isso já tem o ano inteiro: 80% a vista de desconto de juro e multa, correção não sai. E só parcelar em 24 débitos, isso aí é só enganação. JOSÉ PADILHA, Cuiabá/MT Taques cita avanços em sua administração O meu Deus o homem foi, é, e será uma verdadeira decepção para todos os Matogrossenses, Rodovias, segurança e saúde, ah educação,... como diz a mentira de tanto falar passa a ser verdade, só pode !!!!! JOSE MOREIRA FIGUEIRA, Cuiabá/MT zicoqm@hotmail.com

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O que você achou da decisão da Justiça de decretar lockdown em Cuiabá e VG?
Acertada
Demorou
Antes tarde...
Tanto faz
PARCIAL