NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 05 de Agosto de 2020
BRASIL
Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2016, 19h:48

MARQUETEIRO

Depoimento é adiado para hoje

Mônica Moura, mulher do marqueteiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Santana, prestou depoimento à Polícia Federal (PF) na tarde de ontem, em Curitiba. Eles foram presos na terça-feira ao desembarcarem no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos (SP). A prisão temporária de ambos foi decretada na segunda-feira, dia da deflagração da 23ª etapa da Operação Lava Jato. O depoimento de João Santana também estava previsto para ocorrer ontem, mas foi remarcado para hoje, às 9h30. Ele é publicitário e foi marqueteiro das campanhas da presidente Dilma Rousseff e da campanha da reeleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006. Outro preso ouvido pela PF na tarde de ontem foi Benedicto Barbosa, diretor-presidente da construtora Norberto Odebrecht. Ele foi detido na segunda-feira. A prisão dele e do casal é temporária, com prazo de cinco dias, podendo ser prorrogada por mais cinco ou convertida em preventiva, que é por tempo indeterminado, caso a Justiça considere necessário. OMISSÃO O marqueteiro do PT João Santana omitiu de suas declarações de renda de 2010 a 2014 a participação em cinco empresas mantidas por ele no exterior, entre elas a Shellbill Finance S/A, offshore usada para receber US$ 7,5 milhões da Odebrecht e do representante de um fornecedor da Petrobras, Zwi Skornicki. A descoberta foi apontada em relatório da Receita Federal usado por investigadores na 23ª fase da Operação Lava-Jato, desencadeada nesta semana. As informações sobre quatro das cinco empresas identificadas pela PF foram corrigidas pelo marqueteiro no ano passado, durante as investigações da Operação Lava-Jato, por meio de declarações retificadoras. Em novembro de 2015, o estrategista do PT apresentou as correções nas declarações referentes aos anos compreendidos entre 2010 e 2014, acrescentando a sua participação nas empresas, mas não na Shellbill Finance S/A. Nas retificações, o marqueteiro passou a reconhecer que era dono da empresa Polistepeque Comunicaciony e Marketing, estabelecida em San Salvador; na empresa Polis Caribe Comunicacion Y Marketing, da República Dominicana; na Polis America S/A, localizada no Panamá; e na Polis Propaganda, registrada na Argentina. No entanto, não fez menções à Shellbill Finance S/A, registrada no Panamá. Todas essas empresas foram abertas pelo marqueteiro em países onde ele prestou serviços de comunicação em campanhas políticas. A defesa de Santana argumenta que todos os valores recebidos por ele no exterior são referentes a serviços prestados nestes países, mas ainda não se manifestou sobre a omissão da Shellbill Finance da declaração de renda do cliente. A Polícia Federal descobriu que a Shellbill era vinculada ao marqueteiro graças a um bilhete apreendido na casa de Zwi Skornicki, escrito por Mônica Santana, mulher e sócia de Santana. No bilhete, ela indicava os dados de conta da empresa em Nova Iorque e em Londres para recebimento de recursos endereçados ao publicitário. PATRIMÕNIO Um relatório da Receita Federal aponta divergências nas declarações de Imposto de Renda do marqueteiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Santana e da mulher dele, Monica Moura. De acordo com o levantamento, o patrimônio de Santana aumentou de R$ 1 milhão em 2004, para R$ 59 milhões em 2014, em valores não corrigidos. O casal foi preso na 23ª fase da Lava Jato e está detido na carceragem da Polícia Federal (PF), em Curitiba. A dupla faz parte da principal linha de investigação da atual fase, que foi batizada de Acarajé. As autoridades policiais suspeitam que, usando uma conta secreta no exterior, o publicitário João Santana teria recebido US$ 7,5 milhões da Odebrecht e do engenheiro Zwi Skornicki, representante oficial no Brasil do estaleiro Keppel Fels. A empreiteira também é investigada pela Lava Jato e Zwi Skornicki está preso. CARRO A compra de um carro de luxo no valor de R$ 365 mil, em janeiro de 2013, também consta na declaração do Imposto de Renda de Monica Moura, mas o relatório da Receita aponta que o dinheiro também não saiu da conta bancária dela.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Como você vê as acusações entre Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro sobre o caos na pandemia?
O governador é o culpado
O prefeito da Capital também tem culpa
Essa briga prejudica as ações de combate à Covid-19
É uma disputa político-eleitoral
PARCIAL