NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Terça-feira, 11 de Agosto de 2020
BRASIL
Sexta-feira, 29 de Junho de 2018, 17h:23

CONGRESSO

Editores debatem mudanças nas redações brasileiras

NELSON DE SÁ
Da FolhaPress – São Paulo
Em debate na sexta (29), os editores dos maiores jornais brasileiros afirmaram que, apesar das mudanças estruturais pelas quais que vêm passando as redações, com atenção crescente à audiência online, a busca continua sendo pelo leitor qualificado. Falando sobre o tema "O comando em mutação", no 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, o editor-executivo da Folha de S.Paulo, Sérgio Dávila, e o diretor de Redação de O Globo, Alan Gripp, justificaram que é esse o leitor com potencial de se tornar assinante. "Você quer qualquer audiência, só para ter números para mostrar, ou a audiência qualificada, que pode converter em leitor pagante?", disse Dávila. "Os jornalistas hoje trabalham baseados em métricas, de desempenho de conteúdo, e a gente descobre que o conteúdo de qualidade é o que gera novas assinaturas", afirmou Gripp. Marcelo Beraba, diretor da sucursal de Brasília do Estado de S. Paulo, concentrou-se nos esforços para manter a qualidade na cobertura política e econômica da capital federal, como a necessidade de maior versatilidade dos repórteres. O mediador foi Rosental Calmon Alves, diretor do Centro Knight para o Jornalismo nas Américas, da Universidade do Texas em Austin (EUA), que saudou uma questão levantada pelo público, no final, cobrando mais diversidade nas redações. O evento vai até este sábado (30), no campus Vila Olímpia da Universidade Anhembi Morumbi zona sul de São Paulo.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O Brasil já ultrapassou as 100 mil mortes pela Covid-19. Para você, quem tem culpa?
O presidente Jair Bolsonaro
Os governadores
Os prefeitos
Ninguém. A doença é incontrolável
PARCIAL