NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Terça-feira, 14 de Julho de 2020
BRASIL
Quinta-feira, 24 de Novembro de 2016, 20h:16

ADIAMENTO

Feriado nos EUA paralisa negociação sobre delação

FABIO SERAPIÃO, FAUSTO MACEDO, BEATRIZ BULLA e DAVID FRIEDLANDER
Da Agência Estado - São Paulo
As comemorações americanas pelo feriado do Dia de Ação de Graças interromperam a negociação do acordo de leniência entre a Odebrecht, a Lava Jato e as autoridades da Suíça e Estados Unidos. A paralisação pode inviabilizar a assinatura do acordo antes da viagem do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para a China - o embarque está previsto para hoje. Com a paralisação, os advogados da empreiteira retornaram ontem para São Paulo, mas tentarão retomar as conversas com o americanos ainda hoje. O jornal O Estado de S. Paulo revelou que a tratativa da delação premiada e da leniência da Odebrecht está a um passo de ser concluída. O último entrave é valor que será pago pela empresa aos Estados Unidos, como multa da leniência negociada entre as autoridades americanas, o Brasil e a Suíça. Os EUA pressionam por um valor maior, o que gerou um impasse na reta final das negociações. Os advogados e investigadores envolvidos na negociação tentavam equacionar o impasse até a tarde desta quinta-feira, 24, para evitar que Janot estivesse fora do país quando for efetivada a assinatura do acordo. Entretanto, as comemorações da data associada à tradição de dar graças a Deus pelos bons resultados nas colheitas vai transferir a reta final da negociação para a próxima semana. Janot fica na China até o dia 4 de dezembro. Apesar de a fase de negociação estar praticamente concluída, o material ainda não será enviado ao ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). Antes de encaminhar as delações para homologação, os procuradores precisam concluir a validação de depoimentos dos delatores - o que pode se estender até as vésperas do recesso do Judiciário, que terá início em 20 de dezembro. É somente após a homologação que o material pode ser utilizado para embasar a abertura de investigações e pedidos de medidas cautelares, como buscas e prisões. A expectativa é de que após a assinatura dos acordos de delação e leniência, a Odebrecht divulgue um comunicado à sociedade sobre a situação do grupo. A reportagem apurou com investigadores com acesso à negociação que as delações dos executivos, bem como o acordo de leniência da empresa, não devem atingir de maneira uniforme as principais lideranças políticas brasileiras. Embora os principais partidos sejam alvo das delações - PMDB, PT e PSDB -, alguns políticos serão atingidos de "forma fatal" e outros terão suas imagens apenas "arranhadas" pelas revelações. A diferença se dará pelo fato dos valores recebidos da empresa estarem ou não atrelados em desvios praticados em obras e licitações públicas. A análise feita por alguns investigadores é de que o acordo da empreiteira vai criar o "padrão Odebrecht" tanto para as penas e multas quanto para o conteúdo a ser entregue em negociações futuras.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O que você acha da decisão da CPI do Paletó de pedir o afastamento do prefeito?
Ele tem que ser afastado
Ele tem que ser cassado
Ele é inocente
Tanto faz
PARCIAL