NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sexta-feira, 03 de Julho de 2020
BRASIL
Quinta-feira, 03 de Janeiro de 2019, 18h:04

CÂMARA

Presidir CCJ é questão de governabilidade, diz Bivar

ANGELA BOLDRINI e DANIEL CARVALHO
Da Folhapress – Brasília
O presidente do PSL, Luciano Bivar (PE), disse ontem que é questão de governabilidade que o partido tenha a presidência da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), mas negou que a negociação de apoio à reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) tenha envolvido troca de favores. Segundo ele, o atual mandatário da Câmara se comprometeu a dar à sigla do presidente Jair Bolsonaro a presidência da comissão mais importante da Casa e cargo na Mesa Diretora em troca dos 53 votos da legenda. "CCJ não é um cargo, é uma comissão que faz parte da governabilidade, não é um emprego", afirmou Bivar, ao ser questionado se a negociação não vai contra o discurso de "nova política" adotado pelo presidente em sua campanha. O presidente da legenda falou após reunião com 17 parlamentares eleitos da bancada, que é a segunda maior da Casa e tem pretensões de chegar a ser a primeira com mudanças de deputados. De acordo com ele, o acordo fechado com Maia na manhã de quarta-feira, garantirá governabilidade para a aprovação das reformas. "Tenho absoluta certeza de que vai dar ao governo, ao Planalto, uma governabilidade extremamente confortável para viabilizar as reformas que a sociedade exige", afirmou. A declaração de apoio do PSL à candidatura de Maia causou desconforto em alguns membros da bancada, mas deputados que participaram da reunião na Câmara nesta quinta dizem que a decisão foi pacificada. Não é possível, no entanto, garantir que não haverá infidelidade na hora da votação, uma vez que o voto do parlamentar é secreto. Bivar disse, porém, que não haverá punição àqueles que declararem votos contrários. "Isso não foi nem discutido", disse. A deputada eleita Joice Hasselmann, que nesta quarta se manifestou favoravelmente à articulação em torno de Maia, afirmou que é ingenuidade não apoiar a reeleição do deputado. "O que o partido fez foi garantir o espaço do partido para que nós possamos trabalhar pelo governo Bolsonaro", afirmou. "É uma ingenuidade, uma meninice até, achar que o partido vai conseguir fazer qualquer coisa sem estar em espaços estratégicos." Outros partidos também se aglutinam em torno de Maia: no dia 20 de dezembro, último dia de trabalhos na Câmara, Maia reuniu na residência oficial representantes de PSDB, PR, PP, PRB, PSD, PSB, PDT, PC do B, SD, PPS e Podemos, além de siglas menores que pretendem apoiar a candidatura de Maia. O presidente da legenda também aproveitou a reunião para anunciar oficialmente a candidatura do senador eleito Major Olímpio (PSL-SP) à presidência do Senado. O objetivo é fazer frente à candidatura de Renan Calheiros (MDB-AL), hoje considerada a mais forte na Casa e que é vista com temor pelo partido.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O que você achou da decisão da Justiça de decretar lockdown em Cuiabá e VG?
Acertada
Demorou
Antes tarde...
Tanto faz
PARCIAL