NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sexta-feira, 07 de Agosto de 2020
CIDADES
Sexta-feira, 03 de Julho de 2020, 13h:38

PANDEMIA

Covid-19 mata líder da Assembleia de Deus em Mato Grosso

O pastor Rubens Sírio de Souza, que tinha 68 anos, morreu por complicações causadas pelo vírus

RODIVALDO RIBEIRO
Da Reportagem
Reprodução
Sucessão do pastor Rubens Souza (destaque) na Assembleia de Deus ocorre com ações na Justiça

Morreu, na manhã desta sexta-feira (3), após mais de uma semana internado na UTI da Clínica Femina, em Cuiabá, o segundo na linha de sucessão do comando das Assembleias de Deus de Mato Grosso.

O pastor Rubens Sírio de Souza, que tinha 68 anos, morreu por complicações causadas pela Covid-19.

Ele é filho do líder máximo da instituição em Mato Grosso e também um dos principais do Brasil — dentro das Assembleias e em todo o meio evangélico pentecostal, dona da maior bancada religiosa do país —, pastor Sebastião Rodrigues de Souza, 89 anos, que segue internado na mesma unidade de saúde.

Neto de Sebastião e sobrinho de Rubens, o vereador Abílio Júnior (PSC) chegou a fazer um apelo por orações aos fieis pelo restabelecimento dos dois e criticou duramente o tratamento oferecido pela equipe médica da Femina aos pastores, em redes sociais.

“Eles não têm melhorado desde o momento que estão lá. Entram e saem da UTI, passando muita dificuldade. Tio Rubens está entubado, a vida deles está correndo muito risco. Venho pedir que orem bastante pela vida dos pastores, da minha família”, disse.

Bolsonarista, ele exigia a aplicação de cloroquina porque, segundo ele, os médicos se recusam a prescrever o que a família quer — conforme prevê a legislação e é regulamentado pelo conselho da categoria — e se mostrava indignado.

“Nós estamos implorando pros médicos: apliquem o protocolo como estamos pedindo. Aplique os medicamentos como azitromicina, hidroxicloroquina, cloroquina. A gente tem visto que isso em diversos lugares tem cuidado. Os antibióticos tem ajudado. Diversos lugares, diversas recomendações situações. O que os médicos do Hospital Femina estão fazendo pelo meu tio e avó não está melhorando”, afirmou.

Disse, ainda, que havia procurado o secretário municipal de Saúde, Luiz Antônio Pôssas de Carvalho, para discutir a criação de um protocolo para medicação dos pacientes em níveis estáveis da doença causada pelo vírus.

Pastor Rubens morreu em meio a uma escalada que tornou Mato Grosso o epicentro da pandemia no Brasil.

Na Capital, foram 12 mortes somente nesta quinta-feira (2), num total de 43 óbitos em todo o Estado.

Conforme o boletim oficial da Secretaria Estadual de Saúde, até a tarde de ontem, eram 18.356 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, com um número total de 706 óbitos causados pela pandemia.


2 COMENTÁRIOS:







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.

Luciano   05-07-2020 16:48:33
Seitero que não respeita a profecia, ficam se prostituindo com a política e pregam doutrina falsa de dons de curas, ( vocês estão vendo aí, né, que essas seitas não curam NINGUÉM), morrem mesmo, desnecessariamente, se praticassem a verdade religiosa, respeitariam as autoridades de saúde e se precavessem.

Responder

2
1
JOAQUIM RIBEIRO NETO  04-07-2020 00:40:22
Minha indignação é saber que a família pedia para aplicar azitromicina, hidroxicloroquina, cloroquina, e a equipe médica não obedecia, sabendo-se que os mesmo medicamentos divulgados e comentados no mundo inteiro por especialista como positivo e nada foi feito, nos leva a pensar que houve negligência ou não interesse pela vida das pessoas, nos faz pensar que está havendo mais interesse pelas mortes do que pela vida. Digo isso por terem omitidos a medicação a pedido da família. Sabendo-se que quem tomou essa medicação teve bons resultados, qual problema em passar essa medicação? Na minha opinião cabe a família agora acionar o Ministério Público para apurar possíveis irresponsabilidades.

Responder

0
11



ENQUETE
Como você vê as acusações entre Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro sobre o caos na pandemia?
O governador é o culpado
O prefeito da Capital também tem culpa
Essa briga prejudica as ações de combate à Covid-19
É uma disputa político-eleitoral
PARCIAL