NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 05 de Agosto de 2020
CIDADES
Quinta-feira, 23 de Junho de 2016, 20h:19

SAÚDE

MPE investiga o sumiço de vacinas

Denúncias dão conta de que pelo menos 40 frascos das doses da vacina H1N1 enviadas pelo Ministério da Saúde desapareceram de PSF em Cuiabá

JOANICE DE DEUS
Da Reportagem
Enquanto a população enfrentava dificuldades para encontrar vacinas durante a campanha nacional de imunização contra a gripe “A” (H1N1), denúncias dão conta de que pelo menos 40 frascos das doses enviadas pelo Ministério da Saúde (MS) desapareceram em uma unidade saúde localizada em Cuiabá. O suposto extravio das doses foi levado ao conhecimento da Ouvidoria Geral do Ministério Público do Estado (MPE), que abriu inquérito civil para apurar o fato, que teria ocorrido na unidade do Programa da Saúde da Família (PSF) que fica no bairro Canjica, na capital. A vacina é acondicionada em frascos multidoses, contendo dez doses. Uma dose corresponde a 0,5 ml. A campanha de vacinação aconteceu entre o final de abril e maio passado. À época, houve uma intensa procura de pessoas interessadas, inclusive nos postos de vacinação particulares. Porém, por pelo menos uma semana, faltaram doses para imunizar pessoas do público-alvo, como as crianças de seis meses a quatro anos, 11 meses e 29 dias, idosos, gestantes e puérperas (mulheres até 45 dias após o parto). O serviço foi restabelecido dias depois. À época, ocorreram ainda queixas de que pessoas fora do grupo considerado prioritário também estavam sendo imunizadas indevidamente. Já na rede privada, as doses chegaram a ser vendidas por até R$ 120 cada uma. O procedimento investigatório foi instaurado na última sexta-feira pelo promotor de Justiça de Cuiabá, Alexandre de Matos Guedes. O objetivo é coletar informações, subsídios e elementos de convicção referentes ao sumiço das vacinas e, sendo confirmado, adotar as medidas cabíveis. Para Guedes, a possível irregularidade apontada no caso em questão pode configurar eventualmente em lesão ao direito constitucional à saúde, de acordo com a Constituição Federal (CF). A Coordenação das Promotorias de Direitos Difusos e Coletivos Cuiabá tem um prazo mínimo de 30 dias para que sejam tomadas as devidas providências e apresentadas novamente ao MPE. A reportagem do Diário procurou a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) para falar sobre o assunto, mas não houve nenhuma posição por parte do órgão municipal Na unidade, funcionários procuraram não falar sobre o caso, mas comentaram que a equipe de enfermagem e até pessoas que atuavam no setor administrativo foram afastadas da unidade. O motivo teria sido o desaparecimento dos fracos. No início deste mês, a Prefeitura informou que a cidade atingiu 91,67% de cobertura vacinal contra o vírus H1N1. Na capital, foram vacinadas 108.692 pessoas de um total de 121.244 previstas.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Como você vê as acusações entre Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro sobre o caos na pandemia?
O governador é o culpado
O prefeito da Capital também tem culpa
Essa briga prejudica as ações de combate à Covid-19
É uma disputa político-eleitoral
PARCIAL