NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sábado, 17 de Abril de 2021
CIDADES
Domingo, 28 de Fevereiro de 2021, 09h:04

COMPLICAÇÕES PÓS-COVID

Oficial militar relata "dias terríveis" de tratamento e sequelas graves

Aos 37 anos, atleta e sem histórico de doença, Hadassa Souza desenvolveu cardiopatia e distúrbio de ansiedade

ALECY ALVES
Da Reportagem
Arquivo Pessoal
Hadassa teve 50% dos pulmões afetados pela infecção viral, associada à pneumonia

Na semana passada, o Brasil completou um ano do primeiro caso diagnosticado da Covid-19, doença que em Mato Grosso já foi confirmada em mais de 250 mil pessoas, com cerca de 5.800 mortes.

Enquanto pouco se sabe sobre a doença e a vacina está limitada a algumas categorias e faixas etárias, e também não há medicamentos específicos, talvez relatos de pessoas diagnosticadas que estão em tratamento e na fase do pós-Covid-19 possam ser úteis.

Aos 37 anos, atleta e com uma saúde que poderia se dizer perfeita, a tenente-coronel Hadassa Suzannah Beserra de Souza, da Polícia Militar de Mato Grosso, se viu à beira da morte ao contrair a Covid-19.

Passou por internação hospitalar de dez dias, sendo assistida por três médicos.

Sobreviveu ao vírus, mas continua em tratamento e com sequelas graves.

Ela conta que, enquanto estava internada, recebendo tratamento intensivo com medicação, o que mais ouvia dos médicos estava relacionado à alimentação, hidratação e repouso.

"Os médicos chamavam minha atenção o tempo todo, dizendo para comer, mesmo se estivesse sem fome; hidratar, beber bastante água, mesmo sem sede; e descansar, não fazer qualquer esforço", relata.

Arquivo Pessoal

Oficial 2

Hadassa tem 20 anos de carreira militar e, antes da Covid-19, tinha um rotina de atleta

Mesmo que ela estivesse se sentido bem, diziam os especialistas, não era para se levantar nem para ir ao banheiro.

E a maior parte do período de internação, segundo ela, estava deitada de bruços, para não forçar os pulmões.

Hadassa teve 50% dos pulmões afetados pela infecção viral, associada à pneumonia.

A oficial diz que, ao contrário do que pensava, pelo menos no caso dela, a doença não se manifestou de maneira progressiva.

Estava com sintomas leves, sem falta de ar. E, no momento em que decidiu buscar assistência médica, descobriu que estava com 50% dos pulmões tomados pela infecção.

"Em casa, quando falei para minha mãe que ia ao médico e levantei para me preparar, tomar um banho, não consegui nem abrir o chuveiro. Fui tomada por uma falta de ar, que me impedia de andar. Era como se eu estivesse morrendo afogada", descreve.

O que ainda surpreende e, ao mesmo tempo, a alegra, é que seus pais, Carlos Alberto de Souza Silva, 69, e Giselda Beserra de Souza, 61, tiveram a Covid-19 poucos dias antes de ela contrair o vírus e superaram a doença sem a necessidade de internação hospitalar.

E a mãe, lembra ela, está em tratamento de câncer.

Hadassa, que tem 20 anos de carreira militar e antes da Covid-19 tinha um rotina de atleta, fazia academia cinco vezes na semana, natação duas vezes e, nos finais de semana, ainda percorria longos percursos pedalando, desenvolveu a forma grave.  

SEQUELAS - A oficial militar deixou o hospital há pouco mais de 30 dias curada da Covid-19, porém com sequelas graves.

Recebeu diagnóstico de arritmia cardíaca e está em tratamento com medicação de uso contínuo, segue fazendo fisioterapia respiratória e está com transtorno de ansiedade.

Ela está com consulta com neurologista porque, diz, se sente extremamente ansiosa, algo que não apresentava antes da Covid, além de dificuldades de concentração, entre outras.

Também já buscou atendimento com gastroenterologista, por causa de sequelas do trato intestinal.

A esperança de Hadassa é que todas essas sequelas sejam temporárias, e passem rápido, e que ela possa recuperar a saúde plena, como vivia antes da Covid-19.


2 COMENTÁRIOS:







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.

Giselda Beserra de Souza  28-02-2021 12:07:01
Percebemos que a doença é sorrateira e, não escolhe vitima e age diferente em cada organismo.Eu e meu esposo já estávamos a 1 ano em quarentena e de alguma forma fomos contaminados.A tenente coronel Hadassah fez teste juntamente com o seu filho e ambos deram negativos.Vieram passar Natal com conosco e nos 4 ficamos doentes, ou seja, quando eles chegaram eu e pai já estávamos contaminados.Ela esteve a beira da morte. Eu trato cancer ha dez anos e meu é diabético e hipertenso, mas ela foi a que mais foi afetada.Somos um milagre de Deus.

Responder

9
0
Dionys  28-02-2021 11:56:27
Grande amiga, Graças a Deus! Que Ele continue a abençoar vc e a família com muita saúde. Logo estarão todos 100%!

Responder

9
1



ENQUETE
Você aprova a descentralização da vacinação contra a Covid?
Sim. Já passou da hora
Não. Era melhor só no Centro de Eventos
Ainda está a desejar
O certo é utilizar todos os postos de Saúde
PARCIAL