NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sábado, 17 de Abril de 2021
CIDADES
Domingo, 07 de Março de 2021, 13h:55

LETALIDADE DA COVID

Cuiabá: 10% das crianças e adolescentes internados foram a óbito

Na Capital, 25,9% dos pacientes ocuparam leitos de UTI desde o momento de internação até a alta ou morte

JOANICE DE DEUS
Da Reportagem
Agência Brasil
A taxa de internação em UTI de Covid-19 em Mato Grosso cresce diariamente

Desde o início da pandemia do coronavírus, há cerca de um ano, crianças e adolescentes parecem menos vulneráveis à Covid-19.

Contudo, dados do boletim epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde mostram que quase 10% dos pacientes internados em decorrência da doença na faixa etária do zero aos 19 anos vieram a óbito, em Cuiabá.

O levantamento consta no 46º informe produzido pela SMS e no qual foram apresentadas informações desde março de 2020 a 27 de fevereiro deste ano.

No mesmo período, a Capital confirmou 53.665 casos e 1.514 mortes decorrentes da Covid-19 envolvendo apenas residentes.

Do total de infectados, 91,7% se recuperaram.

De acordo com a secretaria, 4.701 indivíduos em todas as faixas etárias estiveram internados e, desses, 75,6% haviam se recuperado e recebido alta.

Já 1.135 (24,1%) foram a óbito. Entre todos os pacientes hospitalizados com evolução do caso para cura ou óbito, a permanência hospitalar média foi de 11,1 dias com tempo mínimo de zero dia e máximo de 199 dias e mediana sete dias.

O intervalo entre o início dos sintomas e a internação foi de 7,5 dias (0 a 84 dias), mediana de 7,0 dias.

Cerca de 38,2% das pessoas necessitaram de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no momento da internação.

Além disso, entre os hospitalizados em leitos de enfermaria (2.905), 11,9% necessitaram ser transferidos para uma UTI durante a internação e 976 (20,8%) fizeram uso de ventilação, sendo que 46,1% desses indivíduos necessitaram do equipamento já no momento da internação.

O estudo aponta também que, no geral, pouco mais da metade dos indivíduos internados era do sexo masculino (53,6%) e entre as mulheres (2.519), 4,4% eram gestantes (96).

A média de idade foi de 56,3 anos e mediana 57 anos (máximo 103 anos); os idosos representam 44,4% das internações e as crianças e adolescentes somente 2,0%, com distribuição semelhante entre os sexos.

Mas, embora a proporção de óbitos entre os pacientes que moram na cidade internados pela doença tenha sido maior nas maiores faixas etárias, chama a atenção o percentual de mortes em crianças e adolescentes, que foi de 9,5% e se revelou maior que os grupos de 20 a 29 (5,6%) e 30 a 39 anos (7,6%).

Ainda, segundo o boletim, a taxa de infecção em crianças, adolescentes e jovens de 20 a 29 anos foram as que mais cresceram (909%) desde 18 de julho de 2020, evidenciando aumento superior do risco de infecção nesses grupos etários quando comparado com os demais.

Já neste ano (3 de janeiro a 27 de fevereiro), a média de mortes por semana atingiu 40,4 por semana, sendo mais alta que em 2020 (14 de abril a 2 de janeiro de 2021) quando a média foi de 31,3 óbitos por semana.

E, somente entre 21 a 27 de fevereiro passado, foram registrados 1.154 casos e 41 óbitos, com média de 5,9 óbitos ao dia.

As taxas de ocupação de leitos de UTI adulto atingiram 79,5% e de enfermaria chegaram a 36,0%. O índice de produção do vírus (Rt) apresentou redução (0,72).

A taxa de ocupação de UTI para pacientes com coronavírus em Mato Grosso ultrapassou 100%.

No fim da tarde deste sábado (6), a Secretaria de Saúde divulgou que a taxa era de 99,58% para UTIs.

No começo da noite, os números no Painel Covid-19 foram atualizados, e a ocupação de leitos ultrapassou 100%: agora, há 101,32% de ocupação, com “-10” leitos disponíveis.

A ocupação das enfermarias públicas, no entanto, está em 36,14%.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Você aprova a descentralização da vacinação contra a Covid?
Sim. Já passou da hora
Não. Era melhor só no Centro de Eventos
Ainda está a desejar
O certo é utilizar todos os postos de Saúde
PARCIAL