NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Domingo, 07 de Março de 2021
CIDADES
Quarta-feira, 06 de Janeiro de 2021, 00h:00

CONTRA COVID-19

Segurança será reforçada nas unidades onde vacinas serão armazenadas

Da Reportagem

Além das condições de logística para garantir a vacinação da população contra a Covid-19, Cuiabá avalia como necessário reforçar a segurança nas unidades de saúde onde as doses serão armazenadas. Ontem, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que se prepara para receber e ofertar o antígeno contra o coronavírus, que causa a doença, assim que o Ministério da Saúde (MS) definir o plano nacional de vacinação com a escolha do imunizante a ser adquirido e dos grupos prioritários que receberão as primeiras doses.

Dentre as vacinas que se encontram na fase três de estudos e que foram testadas no Brasil, estão a Coronavac, Oxford/AstraZeneca, Pfizer/BioNTech, sendo que esta última exige armazenamento em câmaras de baixíssimas temperaturas, em média 60ºC negativos, o que o município não tem capacidade de armazenar. Além disso, outra preocupação é com a questão da segurança.

Por isso, está sendo definido junto à Diretoria de Atenção Primária da SMS quais unidades de saúde vão oferecer a vacina, conforme a coordenadora da Vigilância Epidemiológica. “Vamos sentar com a atenção básica para projetar cenários e definir quais unidades vão oferecer a vacina porque também vamos precisar de uma segurança reforçada já que, diante dessa pandemia, a vacina estará muito visada”, disse a coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Cuiabá, Valéria de Oliveira, por meio da assessoria de imprensa.

Segundo ela, por meio de um convênio entre a Secretaria Municipal de Ordem Pública e a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), policiais militares exercem suas funções a serviço da administração municipal de forma remunerada em seus horários de folga, a chamada atividade delegada. “São esses policiais que farão a segurança dos locais onde as doses da vacina contra a Covid-19 serão armazenadas e aplicadas nos pacientes”.

Conforme explicou o prefeito Emanuel Pinheiro, em entrevista coletiva na ocasião de sua posse, no último dia 1º, o município seguirá o programa nacional, ou seja, vai oferecer a vacina que será enviada pelo Ministério da Saúde. “Seguindo o Comitê de Enfrentamento à Covid-19, sempre buscando o equilíbrio e a responsabilidade, optamos por buscar o amparo oficial. Existem vários tipos de vacina. Para algumas delas, Cuiabá não tem estrutura, existem várias minúcias, várias peculiaridades para a promoção dessa vacinação e há necessidade de apoio e respaldo. Primeiro, da Anvisa e, segundo, do governo federal. [...] A vacina vem para o Estado, que distribui para os municípios com base na densidade demográfica de cada município. Então, Cuiabá já vem com estoque preparado”, disse.

Conforme o plano preliminar de vacinação do Ministério da Saúde, a imunização da população será de responsabilidade da União, dos estados e dos municípios, cabendo às gestões municipais coordenar e executar as ações de vacinação, gerenciar o estoque de vacinas e insumos, como armazenamento e transporte para os locais de uso, descartar e dar a destinação final correta aos frascos, seringas e agulhas utilizados, alimentar e gerenciar o sistema de informação do plano nacional de imunização.

Diante disso, a SMS trabalha para aquisição de novas câmaras frias, material de consumo e serviço de transporte refrigerado das doses para aumentar a capacidade de fluxo da campanha de imunização. Especificamente sobre seringas e agulhas, a coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Cuiabá, Valéria de Oliveira, afirma que a aquisição é de competência do Estado, mas é de praxe nas demais campanhas o Ministério da Saúde enviar esses materiais.

Vale reforçar que ainda está sob análise do Ministério da Saúde qual vacina será disponibilizada a toda a população brasileira, inclusive, a cuiabana. Assim, dentre as vacinas que se encontram na fase três de estudos e que foram testadas no Brasil estão a Coronavac, Oxford/AstraZeneca, Pfizer/BioNTech, sendo que esta última exige armazenamento em câmaras de baixíssimas temperaturas, em média 60ºC negativos, o que o município não tem capacidade de armazenar. No entanto, Valéria de Oliveira explica que as demais exigem armazenamento em temperaturas entre 2ºC a 8ºC, o que exigiria a mesma estrutura utilizada nas demais campanhas de vacinação já realizadas nas unidades básicas de saúde.

Com relação aos públicos que irão ser vacinados primeiro, os chamados grupos prioritários, ainda não foram definidos pelo Ministério da Saúde, conforme Valéria de Oliveira, mas ela adianta que, no plano preliminar, constam as seguintes populações: trabalhadores da área da saúde, pessoas de 60 anos ou mais, indígenas aldeados em terras demarcadas, comunidades ribeirinhas e quilombolas, população em situação de rua, pessoas com comorbidades e/ou transplantados, trabalhadores da educação, pessoas com deficiência permanente severa, membros das forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema penitenciário, trabalhadores do transporte coletivo, transportadores rodoviários de carga e população privada de liberdade.

Conforme os parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS), considerando a transmissibilidade da Covid-19 (R0 entre 2,5 e 3), cerca de 60 a 70% da população precisaria estar imune para interromper a circulação do vírus. Pelo menos 50 países já iniciaram a imunização. No país, a expectativa é de que comece em fevereiro.

 


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Qual o melhor modal de transporte público para Cuiabá e VG?
Prefiro o VLT
O BRT é melhor
Nenhum dos dois
Deveriam melhorar o atual sistema de ônibus
PARCIAL