NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sexta-feira, 03 de Julho de 2020
CIDADES
Quinta-feira, 03 de Janeiro de 2019, 17h:55

NOVO PRONTO-SOCORRO

Vereadores querem anular inauguração do HMC

O Hospital Municipal permanece de portas fechadas e sem prestar serviços aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS)

JOANICE DE DEUS
Da Reportagem
Entregue no último dia 28 de dezembro pela prefeitura de Cuiabá, a obra física do novo Hospital Municipal (HMC) Dr. Leony Palma de Carvalho está com 90% de conclusão. Em que pese os 10% restantes, o HMC permanece de portas fechadas e sem prestar serviços aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) por conta de uma decisão da Justiça que proibiu a transferência dos serviços médicos e hospitalares do atual pronto-socorro para o local. Agora, vereadores também pretendem acionar a Justiça para que a inauguração seja anulada. A informação foi dada ontem durante uma visita foi feita por uma comissão de representantes da Câmara Municipal, de secretários municipais, do consórcio responsável pela construção do prédio, do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea) e do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU). “A intenção era ver ‘in loco’ até para que a sociedade tenha a verdadeira informação”, disse o presidente da Câmara, Misael Galvão. Inicialmente, a vistoria ficou restrita a área recém-inaugurada pela administração municipal, consequentemente, que já conta com os serviços concluídos. Essa situação gerou divergências uma vez que somente os setores finalizados, como o ambulatório e equipamentos já instalados, estavam sendo mostrados. Porém, a comissão de vereadores também queria ter acesso a parte física inacabada. “Tem que mostrar o que precisa”, cobrou o vereador Abílio Júnior, questionando a solenidade de entrega do novo HMC. “Essa obra não poderia ter sido entregue ou inaugurada visto que não estava pronta, inclusive, ressaltar que para ser um pronto-socorro precisa ter urgência e emergência”, reforçou o vereador Felipe Wellaton. Diante da situação, Abílio Júnior disse que pretende acionar o Poder Judiciário para tentar anular a inauguração e garante que a prefeitura não corre risco de ter que devolver recursos para o governo federal. “Vamos tentar anular o ato de inauguração”, afirmou. Segundo o secretário municipal de Saúde (SMS), Luiz Antonio Possas de Carvalho, o Ministério da Saúde (MS) aprovou o cronograma de funcionamento da nova unidade hospitalar. “O hospital não é boteco que você pega mercadoria e joga na prateleira e mudou. Mas, tem um cronograma clínico para ser seguido. Esse cronograma nos permitiria, que no dia 28, teria funcionado a parte ambulatorial”, frisou. Possas explicou ainda que o funcionamento inicial da nova unidade seria a partir da parte ambulatorial, o que não ocorreu devido a decisão judicial impedindo a realização das atividades. “Nós, temos respeitar essa decisão e a partir do momento que suspender em três a quatro dias de higienizado começa a funcionar a parte ambulatorial”, disse. Conforme representante do consórcio, empresário Jorge Pires, a execução da obra segue cronograma acertado com o município, inclusive, estaria em fase adiantada. A entrega total dos trabalhos seria para o aniversário dos 300 anos da capital. “Temos um cronograma acertado com a prefeitura para que até 8 de abril, quando Cuiabá completa 300 anos, entregarmos 100% da obra civil”, disse. A visita ocorreu por que o novo presidente da Câmara de Vereadores, Misael Galvão, determinou que a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) fosse oficializada com base na Lei Orgânica do município para dar amplo acesso aos vereadores nas instalações do novo hospital. Assim, a vistoria foi autorizada pela administração municipal. Já o Crea e CAU não encontraram irregularidades no que se refere ao exercício dos engenheiros ou profissionais que atuam na obra. A inauguração do HMC foi feita pelo prefeito Emanuel Pinheiro no dia 28 de dezembro passado. Porém, a transferência do atual pronto-socorro para a nova unidade foi proibida por determinação da Justiça até que seja apresentado o plano diretor do modelo de gestão do novo hospital. Mas, segundo o prefeito Emanuel Pinheiro, a administração municipal já conta com um “Plano de Ativação”, que já teria sido apresentado e aprovado pelo Ministério da Saúde (MS). Na ocasião, a prefeitura informou que a ativação da unidade será feita por etapa, sendo a primeira com a inauguração da ala ambulatorial, que conta com recepção, sala de aplicação de injetáveis, sala de curativos e consultórios. Na segunda etapa, prevista para ser inaugurada em 29 de janeiro de 2019, serão abertas as enfermarias, contendo farmácia, duas enfermarias masculinas com 60 leitos e um isolamento, uma enfermaria feminina com 30 leitos e um isolamento, sala de raios-X e sala de ultrassonografia. Conforme a prefeitura, na terceira etapa, que começará a funcionar a partir do dia 25 de fevereiro, já tendo em vista o feriado do Carnaval, entrará em operação a ala de urgência e emergência, duas alas de terapia intensiva (UTIs) com 20 leitos e duas salas de cirurgia. Já na quara etapa, que se inicia em 22 de março, começam a funcionar mais três unidades de terapia intensiva (UTIs) com 40 leitos ao todo e mais duas salas de cirurgia. “Finalmente, no dia 08 de abril, aniversário de 300 anos de Cuiabá, o Hospital Municipal de Cuiabá Dr. Leony Palma de Carvalho estará 100% em funcionamento”, afiançou o prefeito, por meio da assessoria de imprensa.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O que você achou da decisão da Justiça de decretar lockdown em Cuiabá e VG?
Acertada
Demorou
Antes tarde...
Tanto faz
PARCIAL