NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 08 de Julho de 2020
CUIABÁ URGENTE
Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2019, 18h:02

Cuiabá Urgente 28-01-2019

Sinecura Rejeitado pelos eleitores, Mauro Savi (DEM) integra o bloco dos futuros ex-deputados que tentam cavar um emprego na Assembleia Legislativa. Pior é que não faltaria gente disposta a ajudar os nobres colegas. Conselheiro Savi e outros rejeitados nas eleições de 2018, ao que consta, têm opção pela função de “conselheiro”, de maneira a atuar nos bastidores, sem chamar a atenção. O salário, claro, será pago pelo contribuinte. Know-how O curioso dessa história é saber quem teria interesse nos “conselhos” de Savi. O ainda deputado ficou notório ao ser preso, em 2018, sob acusação de chefiar uma quadrilha que desviou R$ 30 milhões do Detran. Na rede social Prestes a encerrar mandato-tampão no Senado, José Medeiros (Podemos) se notabilizou muito mais por confusões, com ofensas, e o baixo nível das discussões. Em vez do plenário, o mato-grossense usa e abusa das redes sociais. Baixo nível Depois de ofender o deputado Jean Wyllis (PSol-RJ), Medeiros bateu boca no Twiter. A um internauta que o chamou de “vagabundo”, ele disse: “Vagabundo é seu obstetra que cortou o cordão umbilical ao invés do seu pescoço”. Agrado Sem provas, Medeiros sugeriu que Wyllis, que denunciou ameaças e desistiu da vida pública, teria vendido o mandato de deputado federal. Dizem que o sonho do senador é integrar a “tropa de choque” de Bolsonaro. Cobrança No dia 1º de fevereiro, Medeiros assume uma vaga na Câmara Federal. A esperança dos seus eleitores, certamente, é a que, como deputado, ele seja mais produtivo – e menos voluntarioso – do que como senador. Balde de... A menos de uma semana da posse, a deputada reeleita Janaína Riva (MDB) tem as contas de campanha reprovadas pelo TRE. A decisão não impede que ela tome posse, mas fica no ar a suspeita de prática de Caixa 2. ...de água fria A decisão do TRE ocorre em meio a momentos de extrema euforia de Janaína, que foi aplaudida por servidores, na votação do “pacotão” de Mauro Mendes, e ouviu até coro de gente saudando-a como futura governadora. Compensação No meio político, é dada como certa a nomeação do ex-vice-govenador Carlos Fávaro (PSD) para o comando do Escritório de Representação de Mato Grosso (Ermat) em Brasília. Dono do PSD, Fávaro apoiou a eleição de Mauro Mendes, ............... Marajás na PGE Não é só a MTI que tem marajás. Entre setembro e novembro, a folha salarial da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) teve pagamentos de até R$ 62 mil. Entre os maiores beneficiados, estão Jenz Prochnow, Gabriela Novis Neves e Luís Otávio Trovo, que comandaram a PGE na gestão anterior. Em dezembro, a folha foi de R$ 8.285.882,79, sendo R$ 235.361,02 para comissionados. Os R$ 8.050.521,77 restantes foram para pagar efetivos, incluindo os procuradores. O levantamento foi feito pelo site RDNews. ............... Também quero “Não acredito em greve. Não é o momento. O Governo está aí há 25 dias. Se for a solução, também vou aderir. Se trouxer dinheiro pro caixa, estou junto”. Do chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, à Rádio Centro América FM. Maquiagem No domingo (27), o Estadão revelou que o colapso financeiro nos Estados expôs a “maquiagem” nos números avalizada pelos Tribunais de Contas e mostrou a fiscalização precária dessas cortes, “loteadas de conselheiros políticos”. Leniência “Indicações de deputados, secretários ou familiares de governadores são comuns, e acabam desaguando numa postura leniente dos órgãos que deveriam exercer o controle das despesas públicas”, diz a reportagem do Estadão. Conivência O Estadão analisou os pareceres dos TCEs sobre as contas dos sete Estados que decretaram calamidade financeira. Em MT, o TCE aprovou as contas, apesar de os auditores haverem pontuado irregularidades “gravíssimas”. Comunicação À Rádio Capital FM, o ex-líder do Governo, Wilson Santos (PSDB), afirmou que o “grande erro” de Pedro Taques – que, inclusive, teria influenciado na derrota eleitoral – foi não saber explicar ao povo as ações da gestão tucana. Tropa A ex-juíza Selma Arruda e a advogada sul-mato-grossense Soraya Thronicke, eleitas senadoras pelo PSL, integram a “tropa” de choque de Bolsonaro. Elas se juntam ao notório Flávio Bolsonaro (RJ) e ao major Olímpio (SP). Fama O perfil das duas senadoras foi feito pelo site Congresso em Foco. Selma ficou famosa por mandar prender políticos, entre os quais o ex-governador Silval Barbosa, réu confesso no roubo de R$ 1 bilhão dos cofres de MT.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O que você achou da decisão da Justiça de decretar lockdown em Cuiabá e VG?
Acertada
Demorou
Antes tarde...
Tanto faz
PARCIAL