NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sábado, 06 de Junho de 2020
CUIABÁ URGENTE
Sábado, 23 de Maio de 2020, 13h:15

PASSANDO O PANO

Deputado acha normal vídeo com xingamento e ameaças de morte

Da Redação

Divulgação

José Medeiros e Bolsonaro

Medeiros achou normal vídeo "bomba" de Bolsonaro em reunião com ministros

Para surpresa de ninguém, o deputado federal José Medeiros (Podemos) minimizou o conteúdo do vídeo que mostra a explosiva reunião ministerial do dia 22 de abril, recheada de palavrões, ameaças de prisão, de morte, rupturas institucionais, xingamentos e ataques a governadores, prefeitos e ministros do STF.

O parlamentar mato-grossense disse que o vídeo não provou que houve tentativa de interferência de Bolsonaro na Polícia Federal e, na sua visao, reforçou que o presidente cumpre o que prometeu na campanha em 2018.

Medeiros parece ter gostado da fala em que Bolsonaro, se reportando a governadores e prefeitos que decretaram o isolamento socal, diz: "Por isso que eu quero que o povo se arme. É a garantia e que não vai ter um filho da puta para aparecer e impor uma ditadura aqui no Brasil".

Gostou tanto que reproduziu a fala em seu Facebook.

Na prática, o deputado apoia o armamento do povo e a luta de Bolsonaro contra o isolamento, medida eficaz no combate à pandemia do coronavírus.

Para o deputado, que não perde uma chance de "passar o pano" para o presidente, o vídeo liberado pelo STF não afeta o prestígio de Bolsonaro.

"Eles sonharam com o vídeo e o impeachment, mas acordaram com o presidente mais forte que nunca", escreveu.

Veja o post de Jose Medeiros no Facebook:

Reprodução

Medeiros print

 

 

 


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.





ENQUETE
Você acha que a Prefeitura acertou ao liberar a reabertura de shopings, bares e restaurantes?
É uma decisão acertada
O prefeito foi pressionado por empresários
Quem vai dizer são os consumidores
Tanto faz
PARCIAL