NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Segunda-feira, 03 de Agosto de 2020
CUIABÁ URGENTE
Quinta-feira, 09 de Julho de 2020, 08h:18

FATOR AGLOMERAÇÃO

Protocolo de funeral de pastor em Cuiabá provoca discussão

Da Redação

Dinalte Miranda/Diário de Cuiabá

Pastor - funeral

Milhares de pessoas participaram do funeral do líder evangélico

O funeral do pastor Sebastião de Souza, ex-líder da Assembleia de Deus em Mato Grosso, na quarta-feira (8), chamou a atenção pelo número de pessoas no velório e no sepultamento.

Centenas de pessoas, entre familiares, amigos e fiéis evangélicos, acompanharam o féretro. Alguns estimaram em mais de duas mil as pessoas no ato fúnebre.

Nas redes sociais, o fato tem sido amplamente discutido.

Principalmente, no ponto em que o protocolo do Ministério da Saúde estabelece que falecidos devido à Covid-19 podem ser enterrados ou cremados, mas os velórios e funerais de pacientes confirmados ou suspeitos da doença, que juntem muitas pessoas em um ambiente fechado, não são recomendados.

A cerimônia de sepultamento deve ocorrer em lugares ventilados e, de preferência, abertos. Além disso, a recomendação é que contem com, no máximo, dez pessoas, respeitando a distância mínima de, pelo menos, dois metros entre elas, bem como outras medidas de isolamento social e de etiqueta respiratória.

Essa recomendação deverá ser observada durante os períodos com indicação de isolamento social ou quarentena pelo gestor local ou federal.

No funeral do ex-líder da Assembleia, teve muitos políticos, muitos dos quai expressaram seus sentimentos e prestaram homenagens.

O Governo do Estado decretou luto oficial por três dias em Mato Grosso pela morte do pastor.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Como você vê as acusações entre Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro sobre o caos na pandemia?
O governador é o culpado
O prefeito da Capital também tem culpa
Essa briga prejudica as ações de combate à Covid-19
É uma disputa político-eleitoral
PARCIAL