Domingo, 22 de setembro de 2019 Edição nº 15240 13/06/2019  










Anterior | Índice | Próxima

Série Bandidos na TV é longa demais e cai no sensacionalismo

MAURÍCIO STYCER
Da Folhapress - São Paulo

Um apresentador de TV encomenda assassinatos para impulsionar a audiência do seu próprio programa, que exibe casos policiais e de violência. Quem não assistiria a uma série que se propõe a contar esta história?

Muito do sucesso de "Bandidos na TV", disponível na Netflix, se deve a este "plot" irresistível, mas sensacionalista. Esta acusação contra Wallace Souza (1958-2010), usada na promoção, não ganha consistência em momento algum da série.

Ao longo de sete episódios, o diretor britânico Daniel Bogado descreve a trajetória de Wallace, um ex-PM que se tornou, em 1996, apresentador do Canal Livre na TV Rio Negro (hoje Band Amazonas).

Com seu mix de sensacionalismo, assistencialismo, entretenimento e humor cru, o programa seguia um padrão que faz sucesso até hoje na TV aberta. O primeiro episódio, o melhor, centra foco justamente no auditório comandado por Wallace. Pelo que se vê, ele não era um tipo exaltado como Luiz Carlos Alborghetti (1945-2009), cujo programa Cadeia Nacional, na CNT, na década de 1990, inspirou uma geração de apresentadores.

As imagens em primeiro plano de corpos de vítimas assassinadas são uma das marcas registradas do Canal Livre, mas é curioso ver como Wallace se comporta como um patrono, ouvindo pedidos da plateia e cobrando segurança pública das autoridades. Não à toa, elegeu-se deputado estadual no final de 1998.

Este primeiro episódio prepara o espectador para o tema central: Wallace se torna objeto de investigação, acusado de assassinatos, tráfico de drogas e outros crimes.

Por mais seis episódios, "Bandidos na TV" tortura o espectador com minúcias do caso. Pior, faz suspense, criando expectativas, como se fosse uma novela ou um seriado policial. Em vários momentos, a série me parece tão sensacionalista quanto o programa de Wallace.

Fui até o final, mas confesso que lá pela metade do terceiro episódio, irritado, recorri ao Google para conhecer logo o desenlace do caso.

A história é interessante, a investigação apresenta várias reviravoltas, os policiais cometem erros, o apresentador se encrenca, mas daria para entender e apreciar tudo num filme de duas horas.

Qual é a necessidade de esticar por quase sete horas este documentário? O problema não é só de "Bandidos na TV". Este gênero, a investigação jornalística sobre crimes verdadeiros, tornou-se uma febre mundial. Para empresas como Netflix, Amazon ou Globoplay, quanto mais tempo o assinante ficar assistindo a uma série, melhor. É nítido, nesta onda de documentários, que não há qualquer restrição ao tamanho. Ao contrário, tenho a impressão de que os criadores são estimulados a fazer com a duração que desejarem.

O efeito colateral é o espectador se dar conta de que está desperdiçando o seu tempo.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




15:30
15:29 Nietzsche ganha verniz pop em nova biografia, que o apresenta como misógino
15:29 Emicida retoma parceria com o duo Ibeyi na nova música Libre
15:28 Loucos de Amor volta aos palcos neste final de semana
15:28 Chico Cesar sai em busca de todas as forças


15:15 Entre vaias e aplausos a Bolsonaro, parlamentares são premiados e dançam funk
15:15 Ensino a distância triplica e presencial tem menos calouros em sete anos
15:14 Eduardo Bolsonaro destaca busto de barão do Rio Branco em comissão da Câmara
15:11 Gabinete do ódio tensiona Planalto
15:09 Marcha global pelo clima mobiliza ativistas em diversas cidades brasileiras
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018