Sexta feira, 15 de novembro de 2019 Edição nº 15290 23/08/2019  










LIVRO-CRÍTICAAnterior | Índice | Próxima

Livro dribla melodrama com personagem que usa sono para superar luto

CAMILA VON HOLDEFER
Da Folhapress – São Paulo

Livros que procuram retratar o vazio, sobretudo o de uma juventude vista como perdida e superficial, costumam focar em uma vida de aparências marcada pelas noitadas, pelo consumismo, pelo uso recreativo ou compulsivo de substâncias lícitas ou ilícitas.

"Meu Ano de Descanso e Relaxamento" é diferente, pelo menos em parte. Tudo o que a protagonista –que além de rica é "alta, magra, loira, bonita e jovem"– quer é dormir. Em junho de 2000, ela começa a "hibernar".

Levando a negação e o escapismo ao extremo, mais ou menos como "uma medida de autopreservação", sua intenção é evitar "as misérias" de sentir e pensar. Para isso, ingere quantidades assustadoras de medicamentos tarja preta, todos prescritos pela desmiolada dra. Tuttle.

Elogiado no exterior, o romance de Ottessa Moshfegh chega ao Brasil com ótima tradução de Juliana Cunha. Um dos maiores trunfos da autora é evitar tanto o melodrama quanto uma crítica genérica de um mal que sempre parece igualmente genérico. Outro é descrever um vazio existencial sem criar esse mesmo vazio na narrativa. Moshfegh consegue tudo isso sem fazer um grande esforço para tornar a narradora privilegiada palatável ou suas escolhas compreensíveis.

Quem vê nas festas, compras e dietas uma forma de compensação pelos infortúnios é Reva, amiga e alvo constante da crueldade da protagonista –que identifica a própria superioridade nos altos e baixos da outra, nas suas frases feitas e tentativas de se encaixar num padrão. Seu conforto ilusório é ter em Reva um suposto negativo.

Ao se retirar para a inconsciência, a protagonista quer deixar para trás as lembranças de uma infância sem afeto, com pais que eram como dois estranhos. Quando o período de hibernação tem início, tanto o pai (antes enfurnado no escritório, cercado de livros e papéis) quanto a mãe (antes enfurnada no quarto, bebendo vodca e vendo TV) já morreram. Em grande medida, o sono é uma forma de lidar com o luto.

A partir do presente estéril, preenchido por idas à psiquiatra, maratonas de filmes e visitas indesejadas de Reva, a narradora oferece vislumbres de um passado igualmente triste. As poucas memórias do antigo lar são quase todas visuais ou táteis –as roupas em tons claros, o carpete felpudo, a madeira encerada. Se envolvem alguma emoção, é a melancolia.

O ponto de virada ocorre quando um dos medicamentos passa a provocar apagões. A nova ideia da protagonista para se manter inconsciente, e para emergir renovada, é muito mais radical que a anterior. É aí que entra a questão do despojamento, que não diz respeito apenas ao entulho mental.

A visão da narradora de Moshfegh, que é formada em história da arte, é ao mesmo tempo afiada e cansada. Do início ao fim, decifra signos e os julga de forma implacável. Quase nada a surpreende. O ano de descanso e relaxamento pode lhe ensinar a enxergar o que importa.



MEU ANO DE DESCANSO E RELAXAMENTO

Avaliação: ótimo

Preço R$ 54,90 (240 págs.)

Autor Ottessa Moshfegh

Editora Todavia

Tradução Juliana Cunha



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:29 A Bolívia e seus dilemas - parte II
17:29 BOA DISSONANTE
17:28 Estado adia para 2020 decisão sobre VLT
17:27 Diferença entre direita e bolsonarismo
17:26 A saída da extrema pobreza


17:26 Reflexões da vida
17:25 Toffoli intima BC e obtém dados sigilosos de 600 mil pessoas
17:25
17:24 Brics ignoram crise na Venezuela e Bolívia
17:24 Zona de livre comércio com China pode prejudicar indústria
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018