Segunda feira, 18 de novembro de 2019 Edição nº 15346 09/11/2019  










PARTIDOSAnterior | Índice | Próxima

MDB, PT e PSDB perdem filiados, enquanto partidos emergentes dão salto

Patriota, Podemos e PSL são as legendas que mais ganharam filiados neste ano, segundo dados do TSE

EDURADO RAMOS
Especial para o DIÁRIO

Um ano depois da eleição que promoveu a maior renovação da história do Congresso Nacional, os partidos tradicionais sofrem com uma redução expressiva de filiados enquanto siglas emergentes, incluindo o PSL do presidente Jair Bolsonaro , crescem a cada mês.

Os números foram atualizados esta semana pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). De dezembro de 2018 até setembro de 2019, o Patriota foi o partido que mais cresceu. A legenda tinha 80.066 filiados e pulou para 317.503, um aumento de 296%. Chegou-se a especular que a sigla seria o possível destino de Bolsonaro em meio à crise no PSL, mas o presidente já descartou migrar para o partido.

Em segundo lugar em crescimento de filiados está o Podemos , que saltou de 167.011 para 370.193. O partido vem flertando com vários deputados do PSL e já filiou a senadora mato-grossense Selma Arruda, antes aliada da família Bolsonaro. O PSL , do presidente, está em terceiro: passou de 271.701 para 354.387 filiados. No mês passado, o partido começou uma campanha com a meta de chegar a um milhão de associados.

Na contramão, MDB, PT e PSDB — os maiores do país em número de filiados, nesta ordem — viram suas fileiras encolherem. O MDB perdeu 170 mil filiados. A sigla já teve dois importantes nomes na mira da Lava-Jato, o ex-presidente Michel Temer , que chegou a ser preso preventivamente, mas foi solto em seguida, e o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha , que está preso.

Já o PT tinha 1.591.575 filiados no final de 2018, mas perdeu 76 mil filiados, chegando a 1.514.696 em setembro. A sigla é liderada pelo ex-presidente Lula , também preso pela operação Lava-Jato. Lula, inclusive, quer que o partido lance candidaturas próprias a prefeito no ano que vem, contrariando parte expressiva da legenda. O PSDB perdeu um pouco menos que o PT: 55 mil filiados.

Um dos partidos com mais políticos investigados pela Lava-Jato, o PP reduziu em 104.725 o número de filiados. O DEM, legenda do governador Mauro Mendes e do senador Jayme Campos, manteve a tendência das grandes siglas e teve uma queda de 68.759 filiações.

Para Flavia Bozza, cientista política e pesquisadora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), esses números refletem o enfraquecimento dos grandes partidos e o fortalecimento dos menores, como foi visto nas eleições do ano passado.

“Talvez seja porque são partidos como o PSL (quando Bolsonaro entrou na sigla), que dariam maior espaço para candidaturas personalistas”, aponta Flavia.

Já o cientista político George Avelino, do Centro de Política e Economia do Setor Público da Fundação Getúlio Vargas (FGV), considera “natural” o crescimento do PSL, já que há “expectativas de sucesso eleitoral futuro proporcionadas pela liderança do presidente Bolsonaro”. Por outro lado, partidos como DEM, PT e PSDB foram derrotados e, assim, perderam filiados: “Além disso, o número de filiados tende a crescer significativamente na véspera do prazo para habilitação de candidaturas para as eleições municipais”.

O coordenador nacional do Patriota, Nilton Silva, atribui o desempenho do partido à união com o Partido Republicano Progressista (PRP), no fim de 2018. Só em abril o TSE confirmou a fusão. A transferência de filiados ocorreu no meio deste ano, após pedido do Patriota.

“Acredito que o Daciolo, que foi nosso candidato à presidência no ano passado, ajudou também”, diz Silva.

Presidente do Podemos, a deputada federal Renata Abreu (SP) acredita que a revelação dos esquemas de corrupção envolvendo grandes partidos foram vitais para o crescimento da legenda. A deputada destaca que os filiados do Partido Humanista da Solidariedade (PHS), cuja fusão com o Podemos foi aprovada em setembro, ainda não foram transferidos.

“Em abril, no prazo final de submissão das listas de filiação para as eleições, nosso crescimento será ainda maior”, afirma Renata.

O PSL também espera melhorar seus números, mas sofre com a incerteza sobre a permanência ou não do presidente Jair Bolsonaro e de seus filhos, Eduardo e Flávio. Se os Bolsonaros saírem, a meta de um milhão de filiados fica mais distante.

NOVO PARTIDO - Um dos caminhos possíveis para a família é a fundação de uma nova legenda. Para o advogado Marcílio Lima Duarte, que participou da criação de sete partidos no Brasil — incluindo o próprio PSL na década de 1990, o Prona do ex-deputado Enéas Carneiro e o Solidariedade, do deputado federal Paulinho da Força —, esse plano é plausível.

Para criar um partido, o TSE exige cerca de 490 mil assinaturas de eleitores em todo o país. A sigla também precisa obter a adesão, em nove estados, do equivalente a 0,1% do eleitorado local que votou para a Câmara dos Deputados na eleição de 2018.

“A lei é feita para dificultar a criação de novos partidos. Hoje vejo poucos grupos com essa condição. O pessoal do Bolsonaro e algumas igrejas evangélicas têm condições de convocar o apoio necessário. Mas precisariam de uma estrutura gigante de coleta e validação de assinaturas”, disse Lima Duarte.

Durante viagem ao Oriente Médio, Bolsonaro declarou que “não teria dificuldade” em fundar um novo partido e sugeriu o nome “Partido da Defesa Nacional”. Não existe, no TSE, uma iniciativa registrada para criar esta legenda. A partir do registro, a legislação dá dois anos para a coleta de assinaturas e validação. O ex-ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Admar Gonzaga tem assessorado Bolsonaro na tentativa de encontrar uma saída do PSL e atuou na criação do PSD, em 2011.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:15 Estado adia para 2020 decisão sobre VLT
18:15 BOA DISSONANTE
18:14 A vitória da Bandeira Nacional
18:14 Costumes cuiabanos I
18:13 Mais pragmatismo, menos ideologia


18:13 Renovar é preciso
18:13 Rotatória do círculo militar
18:12 As five: spin-off de Malhação: viva a diferença vai acompanhar chegada da Geração Z à vida adulta
18:12
18:11 Novo livro de Bela Gil tem receitas até com casca de banana
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018