Quinta feira, 12 de dezembro de 2019 Edição nº 15350 15/11/2019  










ROSIVALDO SENNA Anterior | Índice | Próxima

Reflexões da vida

A violência, a exposição do cidadão a cenas com altos requintes de crueldade, e de um certo conformismo com tudo o que está acontecendo, fazem com que a vida humana tenha cada vez mais menos valor. Vamos lembrar do nosso tempo de criança, e não faz tanto tempo assim, onde só se via um defunto quando morria alguém da família – pai, mãe, avô, avó, tios, tias, etc., etc. e tal – ou quando alguém morria esfaqueado numa briga de bar ou desavença entre vizinhos. E que nós, crianças, por mais que fôssemos alertados pelos adultos, sempre dávamos uma passada por perto do corpo, ali estendido no chão. Curiosidade esta que nos custava dias e dias de muito medo.

Hoje tudo é diferente. A criança tem em sua casa, ou na escola, todos os possíveis e imagináveis temores da nossa vida cotidiana. São assaltos, assassinatos, acidentes de veículos, tudo minuciosamente relatado. E a criança cresce dando pouco ou nenhum valor a um dos princípios básicos da família, que é amar uns aos outros. E começa ali, no seio da família, com raras exceções, a competição, a ganância e a inveja. É irmão prejudicando irmão, é filho passando a perna nos pais e vice-versa.

É fácil encontrarmos um culpado. Podemos muito bem começar pelo governo, devido a sua péssima política no tocante à saúde e à educação. Na falta de segurança, e assim por diante. Mas seria ele o único responsável? Creio que não. Onde estão os valores pessoais e morais dos homens? Onde está a palavra? Onde está o amor entre filhos e pais? Seria esta também uma obrigação do governo? Bem, como já disse, é muito fácil achar um culpado, principalmente quando uma coisa depende da outra para sobreviver. E ao invés de se preocupar apenas com as obrigações e deveres do governo – que, diga-se de passagem, vem deixando muito a desejar, pois não consegue dar educação e muito menos saúde à população –, que tal buscarmos alternativas? A saúde despencou de vez. As provas da incompetência estão estampadas pela imprensa no dia-a-dia, com a morte de pessoas por falta de atendimento.

Com isso, o cidadão, no seio da família, também tem que fazer a sua parte, criando bem os filhos e mostrando a eles o que é certo e o que é errado. A religião também tem um papel muito importante na vida. Com todo o sistema contra, nada é fácil. É preciso ter muita fé. E por tudo isso, é melhor morrer lutando que ter de entregar um ente querido de mão beijada à marginalidade ou abandoná-lo à própria sorte. Faça a sua parte, pois assim terá condições de melhorar a vida de todos e ter perfeitas condições de cobrar do governo a sua ação. Tem até uma frase atribuída a Deus que retrata muito bem o que estamos falando, e diz o seguinte: “faça a sua parte que Eu o ajudarei”.



ROSIVALDO SENNA é jornalista em Cuiabá



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




08:39 Maggi diz que vai se desfiliar para evitar especulações
18:21 Estado encerra parcelamento e paga folha dia 10
18:21 BOA DISSONANTE
18:20 Sabedoria ibérica
18:19 Uma “Honoris Causa” e um notório saber


18:19 A vilã não é a carne
18:18 Desenvolvimento humano estagnado
18:18 Mal necessário
18:17 A gente teve melhorias, diz Taís Araújo 10 anos após ser 1ª negra protagonista
18:17 Artistas estreiam mais uma edição da Mostra de Cenas
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018