Domingo, 15 de dezembro de 2019 Edição nº 15359 30/11/2019  










EDUCAÇÃOAnterior | Índice | Próxima

A poucos meses de virar obrigatório, ensino de inglês ainda é precário na rede pública

Segundo estudo do British Council, escolas da educação básica acumulam desde salas lotadas até falta de formação de professores

MATHEUS PICHONELI
Especial para o DIÁRIO

A partir do ano letivo de 2020, as aulas de inglês passarão a ser obrigatórias para estudantes do 6º ano do ensino fundamental até o fim do ensino médio nas escolas brasileiras. Esse é o prazo estabelecido na implementação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento aprovado em 2018 que redefine o conteúdo mínimo que os alunos das redes pública e privada deverão aprender em sala de aula.

Porém, um estudo inédito do British Council, organização internacional do Reino Unido para relações culturais, aponta uma realidade longe da ideal em boa parte da rede pública dos estados brasileiros.

O levantamento, que analisou o ensino do idioma naquelas etapas, foi elaborado com base em dados dos Censos Escolares de 2015 a 2017 do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), além de informações de documentos oficiais e entrevistas com especialistas e equipes das secretarias estaduais de educação.

O quadro geral que apresentado nesta terça-feira em Brasília para atores do setor é composto de salas de aula lotadas, sobrecarga de horas de docência com atuação em muitos turnos, pouco tempo para planejamento, falta de interlocução com pares, inexistência ou baixa carga horária de formação continuada, salários baixos e excesso de burocracia.

“Somados, esses fatores acarretam um sentimento de desvalorização profissional e do ensino da língua estrangeira”, diz o relatório.

A partir de sete indicadores (currículo, formação de professores, oferta ampliada de ensino, monitoramento, avaliação, proporção de professores concursados e habilitação em língua estrangeira), a pesquisa atribuiu uma pontuação para cada estado — num total de 21.

Com 19 pontos, o Paraná praticamente gabaritou a “prova” (veja ranking abaixo), enquanto Mato Grosso sequer foi avaliado por não ter enviado informações ao Britsh Council.

“De modo geral, o inglês é a principal língua estrangeira ensinada, mas há oscilações devido às necessidades. Muitos estados que fazem fronteira com países de língua espanhola optam por ensinar o espanhol”, diz Cíntia Toth Gonçalves, gerente sênior para inglês do British Council.

Em Roraima, por exemplo, a proporção de alunos por professor de inglês é de 720 nos final do ensino fundamental, e 680, no ensino médio. A média nacional é de, respectivamente, 143 e 178. No Rio, o índice é de 141 e 180.

Toth defende que, para melhorar esse quadro, os professores devem se dedicar à sua formação durante o horário de trabalho: “Hoje muitos não são liberados ou precisam usar seu tempo livre para participar dessas atividades”.

O diagnóstico da British Council vem à luz no momento em que uma outra pesquisa, da multinacional de educação EF Education First, aponta que o Brasil ocupa a 59ª posição em um ranking de 100 países avaliados, atrás dos vizinhos Argentina, Paraguai, Bolívia e Peru.

Segundo esse estudo, a taxa de conhecimento dos brasileiros passou de 50,93 pontos, em 2017, para 50,10 em 2018, num total de 100 pontos.

A maioria (87%) diz ter pago cursos de inglês após concluírem a educação regular. A cidade brasileira mais bem colocada em um ranking de 100 localidades ao redor do planeta é Brasília, na 59ª colocação. O Rio de Janeiro ocupa o 61º lugar, e São Paulo, o 68º.

MATERIAL - Segundo o censo de 2017, a rede pública brasileira tem 62.250 professores de língua inglesa. Menos da metade deles (45,3%) têm formação em língua estrangeira e só 60,7% trabalham em regime efetivo. A maioria é mulher (80,1%), branca (48,9%), com média de idade de 42 anos — o que indica, segundo o estudo, que muitos se aposentarão em curto ou médio prazos.

“Geralmente, os professores não são fluentes no idioma, e o material didático não acompanha a proposta pedagógica da rede”, relata uma professora paulistana que já trabalhou nas redes estadual e municipal da cidade.

Segundo ela, que pediu para não ser identificada, as salas são cheias e com alunos em níveis de aprendizado muito distantes, alguns em fase de letramento.

“Embora estejam cercados pelo inglês, muitos não entendem por que devem aprender um idioma se vivem no Brasil. O inglês, junto com artes, não é encarado como disciplina importante, até pelos gestores das escolas. Mesmo nas particulares”, relata.

Atualmente, 1,3 milhão de estudantes brasileiros não têm aulas de inglês nas escolas. Apesar de ter aulas duas vezes por semana, Alvaro, 15, aluno da rede pública estadual em São Paulo, reclama do material didático (apenas um livro) e do método de ensino “repetitivo ou muito raso”.

“Deve-se incentivar os alunos a dominarem o idioma, e a maneira para isso é focando nas áreas para a assimilação. Quem tem condições acaba pagando curso de inglês. O que se ensina nas escolas públicas é insuficiente para o desenvolvimento do cidadão, para vestibulares e para a conquista de bons empregos”, diz o estudante.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:07 MEC libera que cursos presenciais com conceitos mais baixos expandam carga horária à distância
17:07 STF prevê julgar no ano que vem permissão a candidatura avulsa
17:06 Conflitos e retrocessos marcam presença do Brasil na COP-25
17:05 14 – sábado Desigualdade e evasão escolar
17:05 BOA DISSONANTE


17:04 Doador de amor
17:03 Lei do retorno
17:03 Nossos demônios…
17:02 O Auditor Interno e o combate à corrupção
17:00 Na COP 25, MT defende tolerância zero ao desmatamento
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018