Domingo, 08 de dezembro de 2019 Edição nº 15359 30/11/2019  










POLÍTICAAnterior | Índice | Próxima

Centrão aposta em propaganda para tentar se livrar da pecha fisiológica

Da Folhapress – Brasília

De olho nas próximas disputas eleitorais, o centrão decidiu tentar repaginar a imagem do bloco para afastar o estigma de que adota práticas fisiológicas. Com o plano de se livrar da pecha da “velha política” e da ausência de orientação ideológica, o grupo formado por PP, PL, PSD, Republicanos, DEM, MDB, Solidariedade e Avante passou a fazer reuniões quinzenais e até contratou um publicitário para elaborar a nova narrativa. A ideia também é traçar uma estratégia de comunicação, incluindo vídeos nas redes sociais, para enfrentar a polarização que domina a cena política.

Os oito presidentes de siglas do centro se encontram quinzenalmente na residência oficial da Presidência da Câmara. Num desses encontros, surgiu a ideia de contratar equipes especializadas para melhorar a imagem do grupo. Líderes do centrão relatam que o próprio Rodrigo Maia (DEM-RJ) andava decepcionado com o tratamento recebido nas redes sociais mesmo após o trabalho para aprovar pautas que consideram importantes para destravar a economia, como a reforma da Previdência.

“Há uma narrativa contra os partidos de centro. O objetivo de todos os partidos é conquistar o poder e governar. Não é diferente com nenhum partido. O que tem acontecido no Brasil nos últimos anos é que este ambiente de centro tem garantido o diálogo e, principalmente, a aprovação das matérias mais importantes para reformar o Brasil”, disse Maia.

O primeiro vídeo da série começou a circular na semana passada e deu o tom sobre o que a campanha pretende: criar uma identidade para os parlamentares que estão à frente da condução das mais importantes pautas do país. “É preciso incluir o que há em cada extremo, para buscar no centro a solução prática para os problemas”, diz o narrador. “O centro é o que absorve as diferenças porque os extremos divergem, mas o centro converge”, reitera.

O grupo contratou o marqueteiro Chico Mendez, que atuou na campanha de Henrique Meirelles à Presidência em 2018 e também com Fernando Pimentel (PT) ao governo de Minas Gerais em 2014. O publicitário será o responsável pelas novas peças que apresentarão as propostas em discussão na Câmara. São esperados trabalhos sobre as reformas tributárias e administrativa e até mesmo a questão da prisão após a segunda instância pode virar vídeo explicativo. Segundo os dirigentes, há um contrato inicial de dois meses que prevê remuneração mensal de R$ 40 mil de cada um dos partidos.

Além das peças publicitárias, o grupo contratou uma agência de comunicação que vai auxiliar os deputados na administração das suas redes sociais. A missão é montar uma rede para os partidos do centro e ajudar os parlamentares a “conversar” com seus eleitores, disparando informações corretas para o público certo.

Em reservado, o presidente de uma das siglas disse que a ideia principal do projeto “é demonstrar que o centro é quem pode dar estabilidade ao país”. Segundo ele, se não fosse o centro, “o país estaria em pandemônio com essa disputa entre extrema esquerda e extrema direita”, referindo-se à polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o PT de Lula.

Nem todas as siglas de centro participaram da idealização do vídeo. Interlocutores do PSDB afirmam que os tucanos não fazem parte do movimento, assim como outras legendas ditas de centro como o Cidadania.

Apesar do investimento, o grupo estigmatizado por cometer práticas da velha política não pretende mudar a relação junto ao governo. Para outro dirigente partidário, o posicionamento do grupo será o mesmo. Ele diz ainda que “as reformas não seriam aprovadas se não tivessem o apoio do centro”. Nesta semana, o Congresso derrubou vetos de Bolsonaro à lei que regula os partidos.

Outra dificuldade em relação à campanha é a falta de um rosto que vocalize as ambições do grupo. Num momento em que Bolsonaro e Lula disputam as atenções, não há um nome no centro.

Nas redes sociais, a campanha já sofreu reações. No Twitter, o líder do PP na Câmara, Arthur Lira (AL), primeiro a disparar o vídeo, foi xingado e questionado sobre“o quadrilhão do PP”.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:09 Macondo, infelizmente...
17:09 07 – sábado Implantação de Jardim Botânico deve começar
17:08 A maconha foi liberada no Brasil?
17:08 Os pets e o estilingue
17:07 Combate ao custo Brasil


17:05
17:04 Temporada 2019 atrai 6 mil visitantes em exposições marcadas pela diversidade
17:04 Arena Encantada traz fé, magia e diversão para as famílias mato-grossenses
17:03 Em Ela disse, jornalistas contam os bastidores da investigação que derrubou Harvey Weinstein
17:02 Carol Castro: Se deixar, te colocam na prateleira do papel sensual
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018