Domingo, 15 de dezembro de 2019 Edição nº 15361 04/12/2019  










LEITORAnterior | Índice | Próxima

Taques pode voltar na vaga de Selma

O eleitor de Mato Grosso é subestimado diariamente, por esses políticos corruptos.

GERALDO MARTINS, Cuiabá/MT

***



Será que mato grosso não tem uma pessoa honrada para disputar esta vaga.

RUTH AQUINO, Cuiabá/MT

***



Tem meu voto. A sociedade mato-grossense está pagando caro ter eleito esse mentiroso do Mauro.

LUISA MAGALHÃES, Várzea Grande/MT



Mauro defende reformas para reduzir custos

Vamos começar renovando ao cortar os incentivos das empresas do governador que já é um milionário sem pagar impostos. Os impostos que as empresas do governador deixam de pagar falta para educação, saúde, transporte, segurança e pagamento dos salários dos servidores do executivo.

MAURICIO MIRANDA, Cuiabá/MT



Mato Grosso bate São Paulo e lidera ranking de produtividade da carne bovina

Cumprimentos aos participantes da cadeia da carne bovina. Acabou aquele tempo que a vaca criava o fazendeiro. Hoje o uso de tecnologia avança e somos campeões nacionais de produtividade. Significa que nossas pastagens, nossos grãos, nosso manejo adequado vêm dando certo. O principal fator que produz esse resultado chama-se "produtor rural". Muita pesquisa em nutrição, genética, administração dos rebanhos proporcionaram esses resultados. Ainda falta muito a ser explorado. Estamos apenas no inicio. Vamos a luta.

ACIR CARLOS OCHOVE, Cuiabá/MT

ochove@terra.com.br



Estudo aponta retorno com incentivos

Fico curioso, pensando, porque será quando alguém é "desconhecido", no ambiente dos famosos e competentes em suas atividades/ações, é classificado de "João Ninguém"? Por que não Jandir, Pedro, Manoel, José...?! Enquanto não me explicam/convencem, vamos ao comentário. O programa Prodeic, de Mato Grosso, foi instituído a partir de 2004 e está sendo "elogiado" pela Fiemt, na pessoa de seu presidente. Considerando não haver maiores detalhes quanto às metodologias aplicadas - pelo menos a um "leigo" como eu -, dali aproveito o que já pensava há mais de trinta anos: "o incentivo fiscal sequer deveria ser classificado como "renúncia", pois só se renuncia a algo que já se possui". Exatamente! O que merece credibilidade, por coerência, que novas empresas passam a depender de novos empregados que, por sua vez, passam a ter um rendimento que são revertidos, predominantemente, ao consumo, gerando, por consequência, aumento de receitas pela tributação, com as "benesses" para qual são criados os tributos, onde incluem-se o consumo desses produtos isentados e, naturalmente, contribuindo para melhorar os índices de IDH. Quando me referi a "detalhes", foi no buscar entender/saber de onde vieram os números: incentivo de R$ 1,4 bilhão e o retorno de R$ 1,7 bilhão. Retorno para quem? Sob que forma? O incentivo é "isenção e/ou redução" de tributos, no caso, ICMS e, considerando que quem paga esse - e todos os demais - tributos é o consumidor, então, esses produtos "isentados", passaram a ter um preço de venda menor e, em tendo, seria um concorrência desleal aos de mesma atividade e, em não, passa a ser um "lucro extra" exorbitante aos "incentivados", posto que 17,00% de ICMS, por dentro, passa a ser de 20,48(192)%, ou seja, o consumidor paga para o empresário montar/estruturar sua empresa, ou não é assim? Além do mais, toda vez que leio/ouço na mídia, presidentes de associações de classes empresariais "falando bem" de ações governamentais na área tributária, podem apostar, estão levando vantagem e, notem, estou falando de ações a descoberto, mas, como sabemos, temos muitos empresários de diversos segmentos sendo processados judicialmente por terem usados de "jeitinho" para obter tais benefícios ou semelhantes. Ah, claro que não vou ter respostas, afinal chamo-me João.

JOÃO GALDINO DE MEDEIROS, Economista – Tributólogo, São Paulo/SP

jgaldinomedeiros@hotmail.com



Vereadores se unem em defesa da retomada do VLT

Essa obra já foi pro saco. O Mauro Mendes já deixou claro que o governo não vai bancar esta obra.

RUTH AQUINO, Cuiabá/MT



Pelo menos 95 catadores atuam em aterro sanitário

A solução é implantar definitivamente a coleta seletiva de resíduos sólidos. Assim chegará pouco material útil no lixão, o que desencorajará a prática da catação no local de deposito final. Passou da hora de incentivar e implantar essa coleta. Em 1996 do Prefeito Cel. Meirelles retirou os catadores e ajudou na implantação da coleta seletiva após sem anos de cuidados a situação voltou a ser igual ao final do séc. XX.

JANDIRA MARIA PEDROLLO, Cuiabá/MT



Emanuel exalta influência do pai

Se continuar esse belo trabalho é um sério candidato a governador. Conte com os amigos e cuiabanos de chapa e cruz.

OCTAVIO AUGUSTO REGIS DE OLIVEIRA, Cuiabá/MT



Vereador denuncia colega por chamá-lo de “perebento” e “endemoniado”

Este vereador Abilio deve ser bipolar. Uma hora ele, em vídeo, se desculpa e elogia o vereador Toninho. Agora que o pau tá pegando que voltou atrás só por Deus mesmo

LEIZE DOS SANTOS MAGALHAES, Cuiabá/MT



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:07 MEC libera que cursos presenciais com conceitos mais baixos expandam carga horária à distância
17:07 STF prevê julgar no ano que vem permissão a candidatura avulsa
17:06 Conflitos e retrocessos marcam presença do Brasil na COP-25
17:05 14 – sábado Desigualdade e evasão escolar
17:05 BOA DISSONANTE


17:04 Doador de amor
17:03 Lei do retorno
17:03 Nossos demônios…
17:02 O Auditor Interno e o combate à corrupção
17:00 Na COP 25, MT defende tolerância zero ao desmatamento
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018