NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Segunda-feira, 30 de Novembro de 2020
ECONOMIA
Quarta-feira, 17 de Junho de 2020, 00h:00

DEFESA AGRÍCOLA

Aprosoja/MT alerta para início do Vazio Sanitário

Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja/MT) alerta produtores para o período do Vazio Sanitário da Soja, iniciado ontem, dia 15 e que segue até 15 de setembro. Neste período de 90 dias, está proibida a presença de plantas vivas de soja em território mato-grossense, por isso a entidade orienta aos produtores que destruam todas as plantas guaxas para não sofrerem sanções.

O Vazio Sanitário foi instituído pela Instrução Normativa conjunta nº 002/2015, entre a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e o Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea/MT).

O presidente da Aprosoja/MT, Antonio Galvan, afirma que a entidades sempre defendeu o período proibitivo por entender a segurança sanitária trazida pelo Vazio. “Temos lutado para manter esse período e o apoiamos, inclusive, livre de qualquer tipo de pesquisa que tenha soja verde. O defendemos desde a criação em 2006, e continuaremos lutando para que o vazio exista em sua totalidade”, reforçou.

O presidente também ressalta a importância de o produtor estar atento e cuidar ao máximo de suas lavouras para o controle da Ferrugem Asiática. “Pedimos aos produtores que façam a erradicação de qualquer pé de soja que possa existir, seja na lavoura ou no entorno da rodovia próxima de sua propriedade. É muito importante a erradicação e controle da Ferrugem dentro desse período para mantermos esse mal afastado”, conclamou.

Na safra 2019/2020 foram cadastradas no INDEA/MT, 12.441 propriedades com plantio de soja, com área declarada de mais de 8,8 milhões de hectares plantados.

Conforme a gerente de Defesa Agrícola da Aprosoja, Jerusa Rech, a medida fitossanitária é importante, pois quebra o ciclo reprodutivo de pragas e doenças, principalmente da Ferrugem Asiática dentro da propriedade. “Orientamos aos produtores a destruírem as plantas guaxas de soja, que são prejuízo para economia do Estado, para região e para o próprio produtor, que também pode ser penalizado com multas se houver plantas vivas na área”, reforçou.

A ferrugem asiática da soja ocasiona perdas em torno de 20% ao ano, provocando a desfolha precoce da planta e impedindo a completa formação dos grãos, o que gera redução na produtividade, sendo considerada uma doença de importância econômica.

 


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Você acha que o Cuiabá Esporte Clube tem chance de acesso à Série A do Brasileirão?
Sim
Não
Ainda falta estrutura
Precisa investir no elenco
PARCIAL