NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 05 de Agosto de 2020
ECONOMIA
Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2016, 19h:43

CLASSIFICAÇÃO DE RISCO

Moody's também rebaixa grau do país

A agência de classificação de risco Moody's retirou ontem o grau de investimento do Brasil, o que funciona como garantia de que o país não dará calote na dívida pública. Ela rebaixou o Brasil para Ba2, a segunda nota do grau especulativo. Entre as três maiores agências de classificação de risco, a Moody's era a única que ainda não tinha tirado o selo de bom pagador, que estava em Baa3, último nível do grau de investimento. Além do rebaixamento, a agência colocou o país em perspectiva negativa, o que significa que pode reduzir ainda mais a classificação do país nos próximos meses. Segundo a Moody’s, um dos motivos que levou ao rebaixamento foi a perspectiva de maior deterioração dos indicadores de dívida do Brasil, em um ambiente de baixo crescimento, com a dívida do governo provavelmente superior a 80% do Produto Interno Bruto (PIB), em três anos. A agência também citou as dinâmicas políticas desafiadoras, que devem continuar dificultando esforços de consolidação fiscal e atrasando reformas estruturais. De acordo com a agência, a perspectiva negativa contempla os riscos de deterioração adicional para o perfil de crédito do Brasil que emanando de choques macroeconômicos e de disfunção política mais profunda. No último dia 17, a agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) voltou a rebaixar o país, cinco meses após retirar o selo de bom pagador do Brasil. A nota foi reduzida de BB+ para BB. A agência concedeu ainda perspectiva negativa. A S&P tinha sido a primeira a retirar o grau de investimento em setembro do ano passado. Em dezembro, a Fitch seguiu a decisão. TESOURO - O subsecretário da Dívida Pública do Tesouro Nacional, José Franco, disse ontem que o órgão está preparado para gerir a dívida independentemente da perda do grau de investimento. Segundo ele, o Tesouro, responsável pelo controle e administração da dívida pública federal, trabalha com cenários que incluem vários fatores, inclusive, os negativos, como a notícia do rebaixamento da Moody´s. “[O Tesouro] estava preparado porque isso é previsto no Plano Anual de Financiamento (PAF) [da Dívida Pública] em um ambiente com a perda do grau de investimento”, disse José Franco. Segundo ele, o governo federal não alterará a estimativa sobre a dívida contida no PAF, em 2016, entre R$ 3,1 trilhões e R$ 3,3 trilhões. Enfatizou que não acredita na saída de investidores estrangeiros após o rebaixamento. Segundo ele, o momento é de redução das taxas de juros no mercado internacional e os títulos brasileiros continuam atrativos sob essa ótica. Atualmente, a taxa básica de juros (Selic) no Brasil está em 14,25% ao ano, ante 0,5% nos Estados Unidos. O coordenador disse, também, que se alguns investidores estrangeiros decidirem não investir mais no Brasil, outros não residentes manterão as aplicações em títulos brasileiros. Segundo ele, existe uma rotatividade muito grande desse tipo de investidor no mercado e muitos diversificam as aplicações. “O país perdeu o grau de investimento. Mudou de classe. Mas existem outros tipos de investidores para essa nova classe que vão comprar Brasil”, disse.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Como você vê as acusações entre Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro sobre o caos na pandemia?
O governador é o culpado
O prefeito da Capital também tem culpa
Essa briga prejudica as ações de combate à Covid-19
É uma disputa político-eleitoral
PARCIAL