NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 05 de Agosto de 2020
ECONOMIA
Quinta-feira, 23 de Junho de 2016, 19h:34

1º QUADRIMESTRE

Nascimento de empresas cai 6,4% no Estado

MARIANNA PERES
Da Editoria
Enquanto o Brasil contabilizou número recorde de registro de novas empresas no primeiro quadrimestre desse ano, puxado pelo Amapá, na comparação com os quatro primeiros meses de 2015, Mato Grosso andou na contramão exibindo retração de 6,4% no número de abertura de novas empresas na análise anual. Conforme dados divulgados ontem pela Serasa Experian, o Estado somou 12.124 novos empreendimentos. O país contabilizou 674.975 novas empresas, o maior registro para o período desde 2010, de acordo com o Indicador Serasa Experian de Nascimento de Empresas. O número é 4,1% maior que no primeiro quadrimestre de 2015, quando foram registrados 648.488 nascimentos. De acordo com os economistas da Serasa Experian, o aumento de novas empresas no primeiro quadrimestre foi puxado exclusivamente pelo surgimento de novos microempreendedores individuais (MEIs). Este movimento tem sido determinado, principalmente, pela perda de postos formais no mercado de trabalho (aumento do desemprego no país) por causa da recessão econômica, impulsionando trabalhadores desempregados a buscarem, de forma autônoma e formalizados, alternativas econômicas para a geração de renda. O setor de serviços seguiu como o mais procurado, 63% do total de nascimentos, seguido das empresas comerciais (28,4%). O Amapá foi o estado que registrou a maior elevação no período: 26,3%, seguido do Rio de Janeiro, 12,7% e Santa Catarina, 11,4%.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Como você vê as acusações entre Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro sobre o caos na pandemia?
O governador é o culpado
O prefeito da Capital também tem culpa
Essa briga prejudica as ações de combate à Covid-19
É uma disputa político-eleitoral
PARCIAL