NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 08 de Julho de 2020
Editoriais
Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2019, 16h:51

Bom sinal na previdência

Depois de idas e vindas que lançaram sombras sobre a abrangência da proposta do governo para a reforma da Previdência, a promessa do ministro da Economia, Paulo Guedes, de apresentar um projeto de mudança robusto é um alento. A simples fixação de uma idade mínima para a aposentadoria já seria um passo importante para definir um cenário de equilíbrio nas contas públicas. A inclusão de um sistema de capitalização na proposta, como indicou o ministro, é um sinal da disposição de buscar uma solução efetiva e não apenas paliativa como chegou a ser cogitado em Brasília. Suspenso no governo passado por falta de apoio no Congresso, o debate sobre a modernização da Previdência precisa ser levado em frente pelo presidente Jair Bolsonaro já nos primeiros meses de governo. O capital político, comum em início de mandatos, se configura como fator decisivo na conquista dos 308 votos necessários para modificar a Constituição. Quanto mais o debate for adiado, mais grave se tornará a situação fiscal do país e mais drásticas medidas se tornarão necessárias. O ministro da Economia, Paulo Guedes, terá maior chance de sucesso se levar em conta a necessidade de adoção de um discurso claro para a população de baixa renda sobre a importância das mudanças. Tem-se no Brasil, hoje, uma situação peculiar. Da forma como funciona atualmente, o sistema de seguridade social favorece mais quem tem maior renda. Brasileiros mais ricos e mais escolarizados são justamente os que se aposentam em maior percentual com menos de 60 anos, contribuindo com isso para agravar as desigualdades. Adiar a reforma da Previdência pode representar a inviabilidade do país e do governo, que já estima um déficit de R$ 139 bilhões em 2019. Sem mudanças drásticas, é grande o risco de acontecer no Brasil o que houve na Grécia: um país quebrado, consumido pelos enormes gastos públicos e sem recursos sequer para o pagamento de aposentadorias. A determinação de que também os Estados criem fundos de previdência complementar para os futuros servidores, a exemplo do que foi definido pela própria União, é fundamental e precisa ser cumprida logo. Não há justificativa para tamanha disparidade de critérios entre as aposentadorias públicas e privadas. A oposição de corporações, muito bem organizadas, a qualquer tentativa de eliminar ou diminuir seus privilégios já é conhecida. Mas o empenho do ministro da Economia merece apoio dos setores que adotam a perspectiva do futuro como parâmetro de análise. Mexer na Previdência agora acarretará uma dose de sacrifício, mas bem menor, com certeza, do que o preço a ser pago no futuro pela eventual procrastinação. Não resta dúvida de que o fato de a população brasileira estar vivendo mais é merecedor de comemoração, mas a prosperidade do país depende da capacidade de adaptação a essa transformação demográfica na mesma velocidade em que ela ocorre. Se não se investir imediatamente na atenção aos fios soltos da reforma, a Previdência acabará se tornando o nó cego do desenvolvimento brasileiro. Mudanças robustas são necessárias para garantir que todos os brasileiros tenham aposentadoria

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O que você achou da decisão da Justiça de decretar lockdown em Cuiabá e VG?
Acertada
Demorou
Antes tarde...
Tanto faz
PARCIAL