NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sábado, 15 de Agosto de 2020
Editoriais
Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2019, 17h:15

Caminho para a segurança

A mudança na atuação das forças de segurança pública, que passaram a dar pronta-resposta ao usar mais o serviço de inteligência como prevenção da ação de quadrilhas, é um alento para a população mato-grossense. Esse é o caminho a ser buscado, num Estado em que, devido principalmente à crônica crise financeira, conta com efetivos mínimos de policiais militares em dezenas de municípios de pequeno porte. Os moradores dessas localidades não podem continuar vivendo sob o medo permanente ou sendo submetidos a intimidações como as registradas agora em Ibiraiaras, onde um bancário acabou entre as vítimas fatais. A alternativa mais racional para compensar o número insuficiente de policiais é uma ênfase maior ao uso mais racional tecnologia, e não apenas de forma reativa. Foi graças a essa estratégia, e com base num ranking elaborado em conjunto com a Agência Brasileira de Inteligência (Abin), que a equipe de segurança pública está mais atenta a este tipo de crime. O recrudescimento no número de casos de assalto a bancos em pequenos municípios, numa velocidade muito superior à capacidade de reação do poder público, reforça a importância da ênfase ao uso da inteligência e da tecnologia, de forma planejada, por parte das forças policiais. Em meio aos temores generalizados, fica difícil para a população compreender que criminosos condenados possam se juntar para tomar de assalto uma cidade, aterrorizando os moradores. Por mais que se compreenda os limites da lei e as capacidades dos presídios, o fato é que é alta a probabilidade de presos soltos morrerem em brigas de facção ou em confrontos com a polícia. A população não pode continuar subjugada pela força do crime organizado, sob o comando de facções em sua maioria ligadas ao narcotráfico, de dentro ou fora dos presídios. A indignação só pode se tornar ainda maior quando se acumulam atos praticados por pessoas que só estão na rua por motivos inaceitáveis como a falta de vagas no regime semiaberto, por exemplo. A segurança do cidadão é um dever do Estado, que precisa encontrar saídas com os meios ao seu alcance. O recrudescimento no número de casos de assalto a bancos em pequenos municípios reforça a importância da ênfase ao uso da inteligência e da tecnologia, de forma planejada, por parte das forças policiais

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O Brasil já ultrapassou as 100 mil mortes pela Covid-19. Para você, quem tem culpa?
O presidente Jair Bolsonaro
Os governadores
Os prefeitos
Ninguém. A doença é incontrolável
PARCIAL