NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sábado, 15 de Agosto de 2020
Editoriais
Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2019, 16h:49

O país dos remendos

O anúncio feito pela Vale de que vai desativar as barragens a jusante – as que são mais baratas e oferecem mais risco – é louvável. Ainda assim, como é hábito no Brasil, chega tarde, depois de ocorrida mais uma tragédia com perdas humanas e ambientais inadmissíveis. Essa prática de corrigir os problemas apenas depois que centenas de vidas são ceifadas é corrente no Brasil, e não pode continuar. O país precisa reagir, optando por ações de caráter mais preventivo, sem se limitar apenas a atuar só depois do fato consumado. Esse tipo de posicionamento não é recente e mostra a dificuldade do poder público de cumprir seu papel com rigor, no sentido de evitar danos às pessoas. Só depois dos incêndios dos edifícios Andraus e Joelma, na São Paulo dos anos 1970, recordistas em número de mortos e feridos nesse tipo de caso, é que foram adotados procedimentos mínimos de segurança em prédios. Da mesma forma, a reestruturação do controle de tráfego aéreo e da segurança de pistas de aeroportos só ocorreu depois que dois acidentes consecutivos no país enlutaram centenas de famílias. A legislação sobre segurança em casas noturnas e locais coletivos também só se tornou mais rígida após o trágico incêndio na boate Kiss, registrado há seis anos em Santa Maria. Há, naturalmente, problemas de fiscalização e de legislação em praticamente todas os setores que podem implicar algum risco à população. Mas nem as mais avançadas práticas fiscalizatórias e legais são capazes de substituir um elemento simples e tantas vezes ignorado no país: a responsabilidade pela segurança alheia. No Brasil, flerta-se com a irresponsabilidade desde sempre. Desde os casebres construídos em encostas instáveis, para as quais integrantes do poder público fazem vista grossa pelo temor de perderem votos, até o familiar que embarca crianças sem coletes em canoas inseguras, o traço nacional é a desconsideração com a segurança. É preciso uma mudança radical, que se estenda dos gestos mais simples, como respeitar pedestres nas faixas de travessia, até a responsabilização duríssima de megaempresas responsáveis por casos como os registrados nas barragens da Vale. A tragédia de Brumadinho reafirma a necessidade urgente de uma revolução cultural no país, na qual a lei maior deveria ser apenas que a segurança vem antes de qualquer outra consideração. A tragédia de Brumadinho reafirma a necessidade urgente de uma revolução cultural no país, na qual a lei maior deveria ser apenas que a segurança vem antes de qualquer outra consideração

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O Brasil já ultrapassou as 100 mil mortes pela Covid-19. Para você, quem tem culpa?
O presidente Jair Bolsonaro
Os governadores
Os prefeitos
Ninguém. A doença é incontrolável
PARCIAL