NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Segunda-feira, 10 de Agosto de 2020
ESPORTES
Sábado, 01 de Agosto de 2020, 00h:00

SÃO PAULO

Era Leco no São Paulo acaba sem taça e com fiascos anuais

JOSÉ EDUARDO MARTINS
Da Folhapress - São Paulo
Leco, presidente do São Paulo

A era de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, como presidente do São Paulo vai terminar como começou: sem títulos e com uma coleção de fiascos. Nesta quarta-feira (29), em pleno Morumbi, a derrota por 3 a 2 para o Mirassol significou a eliminação da equipe no Campeonato Paulista.
Como a gestão do presidente se encerra em dezembro e os campeonatos só terminarão em 2021 por causa da pandemia do novo coronavírus, não há mais possibilidade de uma conquista de uma taça com a equipe profissional.
Além de passar em branco, o time protagonizou ao menos um vexame por ano. Pouco depois de assumir o seu primeiro mandato, no lugar de Carlos Miguel Aidar, que havia renunciado, Leco viu o time perder por 6 a 1 do arquirrival Corinthians, que entrou em campo com apenas três titulares, pelo Brasileirão de 2015.
Em 2016, pelas quartas de final do Paulistão, o time foi goleado pelo Audax, então comandado por Fernando Diniz, por 4 a 1. Na mesma temporada, no mata-mata das oitavas de final da Copa do Brasil, a equipe caiu diante do Juventude, que na época disputava a Série C do nacional.
Já no ano seguinte, Leco venceu José Eduardo Mesquita Pimenta nas eleições, mas fora de campo, ainda teve mais fracassos. Além de ficar boa parte do Brasileirão na zona do rebaixamento, o time foi eliminado na primeira etapa da Copa Sul-Americana pelo modesto Defensa y Justicia-ARG, no Morumbi. Na ocasião, Rogério Ceni era o treinador do time e começou a ser pressionado. A demissão aconteceu durante o Nacional, após uma derrota para o Flamengo.
Novamente contra um clube sem tanta tradição da Argentina, pela Copa Sul-Americana, o São Paulo deu vexame. Na segunda fase do torneio de 2018, a equipe acabou sendo eliminada pelo Colón.
Já em 2019, pela primeira vez em toda a sua história, o São Paulo se despediu da Copa Libertadores antes mesmo da fase de grupos. Com André Jardine à frente da equipe, o Tricolor foi superado pelo Talleres, da Argentina.
Nesta temporada, foi a vez do Mirassol. No caso do adversário desta quarta-feira, além da diferença de poderio econômico, é importante destacar que o time do interior perdeu 18 jogadores, sendo oito titulares, durante os quatro meses de paralisação do Paulistão por causa da pandemia. Já o São Paulo deixou de contar apenas com Antony, que já tinha sido negociado em fevereiro, com o holandês Ajax, e só se transferiu agora por causa da janela de transferência europeia.
No total, o São Paulo foi eliminado 14 vezes durante a gestão de Leco -além de perder todos os torneios que participou por pontos corridos. Em dezembro deste ano, será realizado o pleito e, de acordo com o estatuto do clube, o dirigente não pode concorrer à reeleição.
Até o momento, está confirmada a candidatura de Júlio Casares. A outra chapa será definida em convenção, em 8 de agosto, com a participação de Marco Aurélio Cunha, Sylvio de Barros e Roberto Natel.

CONFIRA A LISTA DE VEXAMES DO SÃO PAULO NA ERA LECO:
2015
Corinthians 6 x 1 São Paulo - 22 de novembro, pelo Campeonato Brasileiro

2016
Audax 4 x 1 São Paulo - 17 de abril, Campeonato Paulista
São Paulo 1 x 2 Juventude - 24 de agosto, Copa do Brasil

2017
São Paulo 1 x 1 Defensa y Justicia-ARG, 11 de maio, Copa Sul-Americana

2018
São Paulo 0 x 1 Colón - 2 de agosto, Copa Sul-Americana

2019
Talleres 2 x 0 São Paulo - 6 de fevereiro, Pré-Libertadores

2020
São Paulo 2 x 3 Mirassol - 29 de julho, Campeonato Paulista


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Como você vê as acusações entre Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro sobre o caos na pandemia?
O governador é o culpado
O prefeito da Capital também tem culpa
Essa briga prejudica as ações de combate à Covid-19
É uma disputa político-eleitoral
PARCIAL