NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Segunda-feira, 01 de Junho de 2020
ESPORTES
Terça-feira, 17 de Março de 2020, 00h:10

F-1 defende decisão tardia na Austrália e vê pressão por contratos milionários

JULIANNE CERASOLI
Da Folhapress - Londres

A Fórmula 1 passou por um grande desgaste nos últimos dias com o cancelamento do Grande Prêmio de abertura da temporada, que seria realizado em Melbourne, na Austrália, apenas três horas antes do início dos treinos livres.

Pouco depois, a categoria acabou ainda confirmando o adiamento das duas etapas seguintes -Bahrein e Vietnã- e também colocou em dúvida a realização dos GPs de Holanda, Espanha e Mônaco, marcados para maio.

A F-1 já vinha sendo pressionada há meses para rever seu calendário, especialmente depois que o coronavírus passou a atingir em cheio a Europa e em particular a Itália, base de duas das dez equipes e também de fornecedores importantes, como de pneus e freios.

Afinal, ao mesmo tempo em que o mundo todo se ajustava para evitar o deslocamento de pessoas e grandes aglomerações, a categoria se preparava para fazer suas quatro primeiras etapas em três continentes diferentes, movendo o seu chamado circo de cerca de 3.500 pessoas.

A F-1 estava preparada para a estreia na Austrália, contando com apoio governamental de um país que, até a última quinta (12), tinha cerca de 150 casos de coronavírus no total, quando a situação rapidamente se tornou insustentável: um dos funcionários responsáveis por montar a garagem da McLaren testou positivo para o vírus e o time imediatamente decidiu não disputar a corrida.

O caso dentro do paddock fez com que outras equipes (Alfa Romeo, Ferrari e Renault) começassem a pedir pelo cancelamento. Alguns pilotos (Sebastian Vettel, da Ferrari, e Kimi Raikkonen, da Alfa Romeo) até chegaram a ir embora antes mesmo da confirmação da decisão, tomada depois da chegada do CEO da F-1, Chase Carey, na manhã da sexta (13) na Austrália.

Carey, inclusive, viajava do Vietnã já ciente de que a prova de Hanói seria adiada. Enquanto os chefões se reuniam a portas fechadas, milhares de fãs esperavam do lado de fora dos portões, sem qualquer tipo de informação.

Mas por que a Fórmula 1 correu o risco de levar seu "circo" até a Austrália, decepcionar os fãs e ainda sofrer um golpe em termos de imagem? Carey defendeu as decisões da categoria e disse que foi o cenário mundial que mudou rápido demais.

"Olhando em retrospecto, claro que as coisas parecem diferentes. Quando tomamos a decisão de vir para cá havia outros eventos grandes sendo realizados aqui e a situação no mundo era diferente", defendeu o dirigente, referindo-se a eventos como um jogo de críquete que reuniu 86.000 pessoas no domingo anterior (8) em Melbourne.

"A situação foi mudando e continuamos a monitorar para tomar as decisões apropriadas. Estávamos tentando digerir várias informações diferentes para tomar a decisão certa no momento apropriado e acho que fizemos isso."

Mas há um pano de fundo importante para entender a situação: a grande fonte de renda da F-1 hoje é a taxa cobrada dos promotores de GP, de pelo menos 25 milhões de dólares por etapa, e até mesmo o hexacampeão Lewis Hamilton demonstrou acreditar que a categoria correu riscos na Austrália para proteger seu contrato com os organizadores. "Se dinheiro não fosse o mais importante, uma decisão já teria sido tomada", disse o inglês ainda antes do cancelamento. "É uma loucura estarmos aqui."

As declarações de outro dirigente importante da F-1, Ross Brawn, dão razão ao inglês. Perguntado sobre a possibilidade de ter de cancelar várias corridas devido ao coronavírus, o britânico afirmou que "as equipes sobrevivem com o dinheiro que recebem para correr, então isso vai ter um impacto nos orçamentos do futuro e também nas nossas finanças enquanto empresa (referindo-se à F-1 em si). Cada corrida que você perde, há um impacto."

Não coincidentemente, o GP da Austrália foi o único cancelado até o momento. As provas de Bahrein, Vietnã e China estão oficialmente adiadas, e os GPs da Holanda, Espanha e Mônaco, sob dúvida até então.

A avaliação inicial da F-1 é de o campeonato terá 17 ou 18 provas das 22 programadas, uma vez que é bastante complicado encontrar datas para a realização de todos os eventos adiados devido a questões logísticas. Com os adiamentos, a expectativa é de que o campeonato da F-1 comece entre o final de maio e o começo de junho. 


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.





ENQUETE
Você acha que a Prefeitura acertou ao liberar a reabertura de shopings, bares e restaurantes?
É uma decisão acertada
O prefeito foi pressionado por empresários
Quem vai dizer são os consumidores
Tanto faz
PARCIAL