NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Segunda-feira, 10 de Agosto de 2020
ESPORTES
Quinta-feira, 11 de Abril de 2019, 09h:19

ATLÉTICO-MG

Luan ignora negócio frustrado com o Corinthians

THIAGO FERNANDES
Da Uol/Folhapress – BH
Luan esteve muito perto de deixar o Atlético-MG para defender o Corinthians em janeiro de 2019. O atacante de 28 anos, no entanto, seguiu em Belo Horizonte por opção de diretoria e comissão técnica e se transformou no principal nome do setor ofensivo. O jogador participou de gols em quatro dos últimos cinco jogos do Atlético no ano. Ele deu assistência para Alerrandro contra o América-MG, em 17 de março, deu passe para Juan Cazares marcar em 24 de março diante do Tupynambás, pelas quartas de final do Campeonato Mineiro, e foi responsável pelo passe para Maicon Bolt anotar no duelo contra o Zamora, da Venezuela, pela fase de grupos da Libertadores. Luan ainda deixou a sua marca na goleada por 5 a 0 sobre o Boa Esporte, pela volta da semifinal do estadual, no último domingo. O rendimento cresceu em relação às primeiras partidas do ano, quando havia dado dois passes para gols de Ricardo Oliveira e Juan Cazares na estreia do Mineiro, diante do mesmo Boa, e balançou a rede no triunfo por 3-2 sobre o Danubio, do Uruguai, no Independência. Ele ficou sem participar de lances de gols em sete partidas. A recuperação mostra que o atleta superou completamente o negócio frustrado com o Corinthians, em janeiro de 2019. O clube paulista tentou levá-lo em definitivo por 3 milhões de euros (R$ 13,3 milhões à época), mas não obteve acordo. Na sequência, o Corinthians quis envolver Clayson. Contudo, o jogador não chegou a um acordo com o Atlético, o que afastou Luan do CT Joaquim Grava. As partes estudaram outras alternativas ao negócio, mas não chegaram a um consenso. Em sua estreia na temporada, em 20 de janeiro passado, Luan admitiu que ficou balançado com a oferta feita pelos paulistas. Mas reforçou o lado profissional e o desejo de seguir na Cidade do Galo. "Chegou, sim [oferta do Corinthians], não vou ser hipócrita de falar que não. Balançou um pouco, aí eu vou deixar para os meus empresários, para a diretoria. O torcedor sabe qual a responsabilidade de vestir essa camisa. Nunca desapontei a massa, nunca desmereci os meus companheiros. Poderia sumir, igual alguns sumiram aí, não se apresentaram. Mas não, eu tenho contrato, tenho que me apresentar. Tenho orgulho por estar vestindo essa camisa. Vou deixar os meus empresários resolverem aí", disse ao canal PFC. Dois dias após a manifestação pública de Luan, o presidente Sérgio Sette Câmara também deu uma declaração à imprensa dizendo que o atacante seguiria na Cidade do Galo. "Luan é jogador do Atlético, com contrato até abril de 2022. Posso garantir a você que, dificilmente, ele vai sair daqui, pelo menos, nesse ano de 2019. Eu tive uma conversa com ele hoje pela manhã. Expliquei para ele da necessidade que nós temos dele aqui neste ano, importante para o Atlético. Portanto, eu queria tranquilizar o torcedor atleticano que, para o Luan sair do Atlético, teria de ser por uma negociação irrecusável", afirmou. O que o Atlético queria, à época, era cerca de R$ 4 milhões por seu percentual de Luan, além da cessão de um jogador. Sem sucesso, o atleta seguiu em Belo Horizonte e retomou o bom futebol nas partidas mais recentes, tornando-se o principal nome do setor ofensivo do time de Levir Culpi. Hoje, às 19h15 (de Brasília), terá nova oportunidade de dar sequência ao seu bom momento e seguir como protagonista atleticano, em duelo com o Cerro Porteño, no Paraguai, pela Libertadores, na qual o Atlético soma apenas três pontos e briga para seguir vivo.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Como você vê as acusações entre Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro sobre o caos na pandemia?
O governador é o culpado
O prefeito da Capital também tem culpa
Essa briga prejudica as ações de combate à Covid-19
É uma disputa político-eleitoral
PARCIAL