NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Terça-feira, 07 de Julho de 2020
ILUSTRADO
Terça-feira, 08 de Janeiro de 2019, 18h:13

TV-MINISSÉRIE

Éder Jofre e Elis Regina na tela da Globo

Filmes sobre o lutador Éder Jofre e a cantora Elis Regina viram séries com cenas inéditas na Globo

FABIANA SCHIAVON
Da Folhapress - São Paulo
Dois filmes que retratam a história de ídolos brasileiros foram transformados em minisséries para a Globo e são apostas da emissora para janeiro. São eles "10 Segundos para Vencer", sobre o boxeador Éder Jofre, 82, e "Elis", que relata a trajetória da cantora Elis Regina (1945-1982). Eles entram no ar já a partir desta terça-feira (8) e serão exibidos em quatro capítulos, após a novela "O Sétimo Guardião". Primeiro, vai ao ar "Elis" e, na sequência, a série sobre Jofre. Com cenas inéditas e imagens documentais, as duas produções também entram no catálogo digital da programação da Globoplay. A versão estendida do longa "10 Segundos para Vencer", com o ator Daniel de Oliveira no papel de Jofre, ganha sequências mais detalhadas para apresentar Jofre desde a sua infância -quando via o pai treinando o tio Zumbanão (Samuel Toledo)-, até atingir a fama. A série vai se aprofundar em alguns temas. "Temos 15 minutos de cenas inéditas que não entraram no filme e mostram relações mais aprofundadas, como a de Kid Jofre [pai de Éder vivido por Osmar Prado] com os empresários americanos, que se empenhavam em humilhar o Éder", conta José Alvarenga Jr., diretor do filme e da série. A produção relata com mais profundidade a relação de Cida (Keli Freitas), mulher de Jofre, com a sogra, Angelina (Sandra Corveloni). A minissérie "Elis - Viver É Melhor que Sonhar", com Andreia Horta, é outra que promete mostrar bem mais do que foi aos cinemas. Os atores gravaram até novas cenas para a televisão. "A equipe de Guel Arraes e George Moura chegou com uma proposta clara de entregar outro produto. Não seria justo só fatiar o filme. Por isso, a série transborda o que foi para o cinema. São obras distintas", diz o cineasta Hugo Prata, que dirigiu o longa. Além de o filme mostrar mais cenas com os atores Sérgio Guizé, como Tom Jobim, e Thelmo Fernandes, como Vinicius de Moraes, há uma nova personagem. A cantora Rita Lee (Mel Lisboa). "Elis" levou mais de 500 mil pessoas aos cinemas. "Quando fizemos o filme, não sabíamos que ele seria uma série. Ele teve um resultado de bilheteria que nos surpreendeu positivamente. Ganhamos 34 prêmios em festivais pelo mundo. O filme nos deu alegria e parecia o suficiente, mas ainda veio a chance de transformá-lo em série", celebra Prata. TEMAS - Agora que irão ao ar na televisão com versão estendida, as minisséries "Elis" e "10 Segundos para Vencer" aprofundarão temas e personagens que não foram mostrados no cinema. A atriz Sandra Corveloni, que interpreta Angelina, mãe de Éder Jofre no filme, conta que a série lembra a primeira boxeadora brasileira, Olga Zumbano, morta em 2000, que era tia de Éder Jofre. "A minha personagem é da família Zumbano, que era tradicionalmente do boxe. A irmã da Angelina foi quem trouxe a luta feminina para o Brasil e isso será mostrado." Todo o elenco teve contato com a família de Éder Jofre e com o próprio boxeador: foram criados na Mooca, zona leste. "Sou de São Paulo e tivemos o Ricardo Geli [que interpretou o lutador Zumbanão], que é da Mooca e foi alimentando nossa imaginação com histórias da família", conta a atriz. Já uma das grandes novidades trazidas pela minissérie "Elis - Viver é Melhor que Sonhar" é o momento em que a cantora se torna amiga de Rita Lee (Mel Lisboa). Presa na ditadura militar, Rita recebeu visita de Elis, que nem a conhecia pessoalmente. "Achamos imagens de arquivo das duas narrando esse fato e colocamos logo depois da cena. Pessoas de carne e osso vão contar o que acabamos de reconstituir na tela", conta George Moura, diretor da série. Para Mel Lisboa, que viveu Rita Lee no teatro, foi um desafio colocar sua personagem de volta em cena. "No musical, por quase três anos, eu fiz a Rita em uma situação diferente. O palco é muito diferente da câmera. O musical tem uma Rita muito solar e feliz, e a série retrata o momento em que ela passa pela prisão", diz Mel Lisboa.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O que você achou da decisão da Justiça de decretar lockdown em Cuiabá e VG?
Acertada
Demorou
Antes tarde...
Tanto faz
PARCIAL