NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Terça-feira, 20 de Outubro de 2020
ILUSTRADO
Terça-feira, 15 de Setembro de 2020, 00h:00

TV BRASIL/70 ANOS

Há 70 anos no Brasil, TV mantém relação histórica com o público enquanto se reinventa com inovações tecnológicas e de formatos

Primeira transmissão no país, que completa sete décadas no dia 18, deu início a trajetória única de produção e audiência, que se reconfigura com o streaming

MARIA FORTUNA E NELSON GOBBI
Da Agência Globo - Rio
Assis Chateaubriand inaugura a TV no Brasil, em 18 de setembro de 1950

No dia 18 de setembro de 1950, quando a imagem da atriz Maria Dorce surgiu para 200 televisores espalhados por São Paulo, começava a ser escrita uma história que se confundiria com a própria história do país. Realizada pela TV Tupi (a atriz, de 6 anos, estava com um figurino de índio, o símbolo da emissora), a primeira transmissão televisiva nacional, há 70 anos, dava ao país — que se urbanizava, se industrializava e redefinia seu lugar no mundo — o seu principal espelho.

Bem além das duas centenas de aparelhos iniciais importados dos EUA pelo jornalista Assis Chateaubriand, dono do grupo Diários Associados, ao qual pertencia a TV Tupi, a septuagenária TV brasileira chega hoje a mais de 96% dos lares, segundo dados de 2018 do IBGE. A imagem em preto e branco da “TV Taba”, o primeiro programa transmitido na noite da estreia, tendo no elenco Lima Duarte, Ivon Cury e Hebe Camargo, se contrapõe à diversidade de opções atuais da TV aberta, a cabo e mais recentemente do streaming, que projeta um novo futuro para o meio.

Acompanhada também em computadores e celulares, a TV se mantém como elemento integrador, como se viu nos últimos meses, em que foi a principal fonte de informação e entretenimento durante a quarentena imposta pela Covid-19 — e os desafios da pandemia a fizeram se reinventar mais uma vez.

"A transmissão de estreia foi quase uma travessura do Chateaubriand. Mas a partir dos anos 1970 ela passa a ser o veículo da unidade nacional, consolidando uma identidade que começou a ser formada com o rádio, no Estado Novo", diz Eugênio Bucci, autor de livros como “Brasil em tempo de TV” (2000). "É por meio da TV que a população passa a se reconhecer como parte de um todo, algo difícil até então para um país que vai da Floresta Amazônica aos pampas gaúchos. Isso nos fez estabelecer uma relação com a TV que é quase única no mundo".

A conexão não seria tão profunda, ele destaca, sem o talento dos profissionais que fundaram uma escola brasileira de TV. Um dos pilares desta produção seria a teledramaturgia — a pioneira telenovela “Sua vida me pertence” foi levada ao ar pela Tupi em dezembro de 1951, na qual também houve o primeiro beijo visto ao vivo pelo público brasileiro, entre Wálter Forster e Vida Alves. A partir de “Beto Rockfeller” (1968), da Tupi, as tramas passam a retratar a realidade brasileira e se transformam em fenômenos de audiência, em produções como “Irmãos Coragem” (1970) e “Dancin’ days” (1978), da TV Globo.

Mesmo diante de todas as possibilidades trazidas pelo streaming, em que o espectador ganha poder de criar sua própria grade, a TV linear (assistida no momento em que a atração é transmitida) se mantém como um hábito entre a maioria do público. A convivência entre os dois modelos surge como um capítulo desta história, evidenciado pelo recente lançamento do Globoplay + Canais Ao Vivo, serviço que reúne o conteúdo em streaming à programação em tempo real da Globo e de canais como GNT, GloboNews, Multishow e Sportv.

"É preciso entender que streaming é televisão, e não uma coisa diferente. Como ofício, como campo profissional, como arte, é a mesma TV. Claro que tem características tecnológicas e de experiência próprias, que impacta no tempo dedicado pelo usuário às atrações", observa Erick Brêtas, diretor de Produtos e Serviços Digitais da Globo.

Ele cita o exemplo de “Game of thrones”, série da HBO, para lembrar como antes da Covid-19 a TV mundial estava vivendo sua década de ouro, com um investimento nunca visto em suas produções.

"Essas grandes narrativas, que ficaram mais ligadas ao on demand, vão dividir a audiência com experiências “eventizadas”, que naturalmente estão relacionadas ao jornalismo, esportes e a shows, mas também ocorrem durante a exibição de novelas de grande repercussão, por exemplo".

 

 

Foto:

Assis Chateaubriand, dono do grupo Diários Associados, ao qual pertencia a TV Tupi, inaugura a TV no Brasil em 18 de setembro de 1950


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
MT terá eleições simultâneas para vereador, prefeito e senador? Você já escolheu seus candidatos?
Sim
Não
Vou anular os votos
Nenhum dos candidatos presta
PARCIAL