NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quinta-feira, 09 de Julho de 2020
ILUSTRADO
Quinta-feira, 03 de Janeiro de 2019, 18h:07

MÚSICA-CRÍTICA

Pepeu Gomes reapresenta sua alquimia inominável em lançamento

THALES DE MENEZES
Da Folhapress – São Paulo
É difícil dizer que Pepeu Gomes, 66, é mesmo o melhor guitarrista brasileiro? Porque o que ele faz com o instrumento é algo tão diferente dos outros que fica complicado encontrar parâmetros para comparação. Com nomes geniais da guitarra pop que fizeram história no Brasil, como Luis Sérgio Carlini, Nuno Mindelis ou Lulu Santos, escutá-los permite uma pesquisa imediata dos instrumentistas que os influenciaram. É como rastrear o DNA musical de cada um. Pepeu Gomes não permite isso. Está alinhado entre fenômenos culturais que aparecem sem explicação. Seu som é fluido, orgânico, mistura natural de rock, pop, jazz e raízes brasileiras. Ele lança agora o álbum "Eterno Retorno", primeiro em 25 anos que traz canções inéditas. Entre letras fortes, de antigos e novos parceiros, nenhum estilo sobrevive intacto às desconstruções do guitarrista. Neste novo trabalho, sons eletrônicos salpicados nas faixas buscariam uma tal modernidade, e é evidente que Pepeu teve intenção de enveredar por gêneros como o reggaeton e o trap. Mas o que pode ser escutado nas 11 músicas é a alquimia inominável que ele apresenta desde quando integrava os Novos Baianos, nos anos 1970. A única não inédita do disco é "99 Vezes", original do álbum "Farol da Barra", o último de estúdio dos Novos Baianos. É uma balada singela, que não entraria em uma lista de canções memoráveis da banda, mas faz muito sentido escalada em "Eterno Retorno". Porque o álbum tem uma divisão bem clara entre faixas mais ambiciosas, com arranjos que demonstram o inegável virtuosismo do guitarrista, e outras que soam mais tranquilas, carregando nas letras e no instrumental elementos da alma hippie que os Novos Baianos injetaram em Pepeu. No primeiro time, há uma opção divertida por sons "espaciais", que aproximam músicas fortes e balançadas como "Sexo Frágil" e "A Paz Sonhada" de um certo jazz fusion setentista. Não chega a soar datado, por suas doses de ousadia musical. A inesgotável "baianidade" forma bloco com "Aos Poucos", letra de Nando Reis, e "Amor em Construção", com o grupo de rock baiano Vivendo do Ócio, que prova como o exímio guitarrista esconde um cantor vigoroso e afinado. É a faixa com mais jeitão de hit. "Tempestades" tem letra de Arnaldo Antunes e é o momento mais relaxado do disco. Forma, na parte final do álbum, uma apoteose encantadora com "Não Move Nada" (parceria com Zélia Duncan) e "José". Inclassificável, Pepeu provavelmente é o grande guitarrista brasileiro. Quem assistir aos shows de lançamento do álbum em São Paulo, no primeiro final de semana de 2019, vai acabar concordando. ETERNO RETORNO ARTISTA Pepeu Gomes GRAVADORA Independente, disponível nas plataformas digitais. AVALIAÇÃO Ótimo

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O que você achou da decisão da Justiça de decretar lockdown em Cuiabá e VG?
Acertada
Demorou
Antes tarde...
Tanto faz
PARCIAL