NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Terça-feira, 07 de Julho de 2020
ILUSTRADO
Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2019, 18h:12

LIVRO-CRÍTICA

Poesia do israelense Yehuda Amichai é ao mesmo tempo moderna e atemporal

LAURA ERBER*
Da Folhapress - São Paulo
De todos os instrumentos criados pelo homem, o livro é o mais assombroso, escreveu Borges. Com essa disposição para o assombro recebemos o volume "Terra e Paz", primeiro livro de Yehuda Amichai publicado no Brasil. Graças à editora Bazar do Tempo, agora o leitor brasileiro poderá fruir de um conjunto representativo e extenso, organizado e traduzido por Moacir Amâncio. Amichai foi o poeta do fim do amor e das guerras inúteis, das despedidas e de Jerusalém. Sua poesia impressiona pelo amplo espectro das questões que mobiliza e pela aparente simplicidade com que tratou assuntos diletos. O poeta que queria "bagunçar a Bíblia" interrogou conflitos do espaço-tempo da judeidade numa paisagem contraditória, em tom inglório, munido pela lucidez de quem recolhe restos de sentido no mundo estilhaçado. "Metade das Pessoas do Mundo" aborda o cerne dos conflitos bélicos que o poeta vivenciou diretamente - como soldado em mais de uma guerra - a partir do ódio que transforma vizinhos em toupeiras cavando a terra. Yehuda Amichai nasce na Alemanha, em 1924, sob o nome Ludwig Pfeuffer, numa família de judeus ortodoxos. Com a ascensão do nazismo, a família emigra para a Palestina e, em 1936, acaba se fixando em Jerusalém. Amichai luta com os ingleses na Brigada Judia do Exército Britânico e depois batalha contra os britânicos na Guerra de Independência de 1948. Com o fim dessa guerra, inicia seus estudos de literatura hebraica na Universidade de Jerusalém. Em 1955, publica "Agora e em Outros Dias", livro que abriu novos rumos para a poesia israelense de sua geração. Entre seus prodígios está o uso do hebraico em matizes modernos, em versos livres, com uma inflexão coloquial que não o impede de produzir um diálogo vivo com a tradição literária, seja ela talmúdica, seja a poesia hebraica medieval ou o legado dos poetas sefarditas da Espanha. Reconecta-se com a perspectiva hermenêutica da cultura judaica, em que a relação entre os nomes e as coisas é posta em jogo, mas ele o faz numa língua poética que soa sempre concreta, fluida, o seu modo de fazer perguntas soa simples e natural, como caminhar ou respirar. Amichai trabalhou também nas difrações do sujeito lírico, toda uma inteligência amorosa que sobrevive ao tempo porque algo nela não pertence à qualidade do que é temporal. Nocauteia o leitor contemporâneo na lida com sentimentos ligados à perda e ao "finis amoris". Recolhe os vestígios ainda quentes de relações que se quebraram para depois relançá-los na roda do sentido que só o futuro saberá fazer girar. Retoma também a imagem do amor instantâneo e impossível da modernidade na figura fugaz de uma aeromoça - uma baudelairiana passante das alturas - cuja pequena cicatriz no alto do braço atesta que "pertence ao partido conservador/ dos amantes de um só grande amor na vida". Se "um homem não tem tempo para cada coisa", também o poema precisa driblar essa escassez e se engajar no emaranhado paradoxal de emoções e experiências concomitantes de que é feita uma vida. Na sombra das guerras há sempre uma cicatriz de amor e todos os seus amores existem nas cicatrizes das guerras. Amichai rearranja corpo e mistério, ódio sem causa e amor sem futuro, religiosidade e experiência secular, perder e encontrar. *Laura Erber é escritora, editora e autora de 'A Retornada' (Relicário) TERRA E PAZ AUTOR Yehuda Amichai TRADUÇÃO E ORGANIZAÇÃO Moacir Amâncio EDITORA Bazar do Tempo. R$ 62 (184 págs.) AVALIAÇÃO Ótimo

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O que você achou da decisão da Justiça de decretar lockdown em Cuiabá e VG?
Acertada
Demorou
Antes tarde...
Tanto faz
PARCIAL