Diario de Cuiabá

Sexta-feira, 04 de Janeiro de 2019, 17h:08

Curas milagrosas

O caso do médium João de Deus mostra a omissão da mídia brasileira sempre conivente com os casos de envolvimento de crenças com curas espirituais. O badalado João, embora já houvesse sido denunciado por diversos crimes e contravenções continuava admirado por jornalistas, artistas e políticos. A desculpa sempre lembrada do respeito às religiões não consegue justificar o desinteresse de noticiar os crimes cometidos e de investigar o dito curandeiro. O maior jornal do país (Folha de São Paulo) já reconheceu, através de seu ombudsman, o despreparo dos jornalistas para lidar com esse tipo de crime, mas não passou disso e nem assumiu a culpa desse caso específico. Ao contrário do que se pensa, noticiar os crimes deste médium espírita não denigre o espiritismo, da mesma forma que denunciar pastores e padres pedófilos, não tem o poder de comprometer o cristianismo. Milhares de mulheres desavisadas seriam poupadas do trauma que sofreram e suas sabidas consequências, se a mídia tivesse divulgado há 10 ou 20 anos, denúncias sobre o comportamento estranho do curandeiro de Goiás. Independentemente do comportamento agora desmascarado eu não consigo entender porque o Ministério Público, tão zeloso com os direitos da sociedade quando economicamente explorada, se omite nos casos de flagrante extorsão dos pobres fieis das igrejas pentecostais, persuadidos mediante fraudes a entregar parte dos ganhos para gananciosos pastores. Também empresários da mídia que de alguma forma participam desse assalto, pois alugam suas plataformas (TVs, rádios, jornais, sites etc), fazem-se de surdos e cegos diante da descarada - desculpem-me o termo chulo – sacanagem contra os doentes ingênuos que pagam por curas que na melhor das hipóteses seriam inócuos placebos. Num claro desrespeito à lei do consumidor, por que não entregam o produto que vendem, os pajés evangélicos estão reinando nos canais abertos de televisão nas noites e madrugadas, tirando do pobre parte de seu insuficiente salário e persuadindo-os a se comprometerem com ofertas futuras. Ao contrário dos milagres que teriam sido realizados por Jesus Cristo, os modernos são feitos em etapas. Na Bíblia o cego via imediatamente, o paralítico andava na hora e o morto ressuscitado mediante uma só frase. Agora os doentes são instados a crer em pequenas melhoras pontuais como sinal de futura cura definitiva o que os estimula a manter o carnê de contribuição em dia. Não me convenço de que a lei não tenha poderes para interferir em casos tão grosseiros de exploração coletiva, e, se não tiver, deve haver alguma razão para esse crime não alcançar o interesse dos legisladores. Se a justiça não prevê punição para esses crimes e os legisladores não se interessam por eles, resta à imprensa, chamada de quarto poder na democracia, o dever de despertar o país para esse assunto. Não seria desrespeito à fé de ninguém mostrar que existem enganadores que roubam o povo dizendo-se enviados de Deus. A mídia poderia se redimir da omissão em relação ao João de Deus e aos demais milagreiros, fazendo matérias com as vítimas que entregaram parte do escasso dinheiro para os charlatões, em pagamento por uma cura que não aconteceu. * RENATO DE PAIVA PEREIRA – empresário e escritor renato@hotelgranodara.com.br

Fonte: Diario de Cuiabá

Visite o website: diariodecuiaba.com.br