Diario de Cuiabá

Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2019, 18h:03

Vizeu diz que insistiu por liberação

Felipe Vizeu fez questão de jogar no Grêmio em 2019. Apresentado na terça-feira, o centroavante afirmou que insistiu à Udinese, clube que detém seus direitos econômicos, para ser liberado por empréstimo ao time gaúcho. A negociação arrastada terminou com final feliz também pela influência da figura de Renato Portaluppi. O técnico foi citado como um dos argumentos de Vizeu para voltar ao Brasil e jogar em Porto Alegre. Aos 21 anos, o atacante disputará posição com André e Jael ao longo do ano. "Sabia que ia ficar no Brasil uma semana e, quando estava aqui, surgiu a oportunidade de vir para o Grêmio. Deu tudo certo? São meus representantes que cuidam da minha carreira e, nesse caso, achei que era o melhor. Quando surgiu isso, bati o pé e falei que queria vir para cá", disse Vizeu. A saída por empréstimo, fazendo o caminho Itália-Brasil, até poderia ter outro clube como destino. Mas Vizeu disse que a presença de Renato no Grêmio pesou. "Sem dúvidas ele me convenceu a vir para cá. É um ídolo, um gênio. Pela posição que jogava, pelos gols que fez, me ajudou a vir para cá", comentou o atacante, que não teve contato com o treinador durante as negociações. O centroavante ainda revelou que vai usar o número 47. A escolha visa evitar atritos com Jael, com a 9, e André, dono da 90. "Eu cheguei agora, preciso ter respeito por todos. Não é por ser centroavante que preciso jogar com a 9. A gente sabe que Jael é Jael. Eu vou escolher o número 47. Me identifico muito com esse número. Fui campeão da 47ª Copa São Paulo [de Futebol Junior]", completou Vizeu. Antes dele, o Grêmio contratou três reforços. Julio Cesar, goleiro ex-Fluminense, Rômulo, volante emprestado pelo Flamengo, e Walter Montoya, cedido pelo Cruz Azul-MEX. INTER O técnico Odair Hellmann irá rodar o elenco do Internacional nos primeiros quatro jogos do Gauchão. Segundo ele, o início do campeonato segue como pré-temporada e os atletas receberão oportunidade de atuar. Os treinamentos até então mostram três times. Um deles é o considerado titular, logo em seguida os jogadores com mais chance de entrar e o terceiro basicamente formado por atletas da base. "Uma pré-temporada não é de bom nível com 12 ou 11 sessões de treino. Tem que ter 30 dias, quatro semanas. A gente vai seguir a pré-temporada mesmo com jogos. Nos primeiros quatro jogos, inicialmente, vamos usar o máximo de jogadores possível. Para observar, para dar oportunidade dentro de campo", disse. INDEFINIÇÃO "Ainda temos essa indefinição de titular ou reserva. E acho que tem que ter um time inicial, uma espinha dorsal, como foi ano passado. Dentro do caminho, nos encontramos e tivemos uma sequência. No ano passado, jogamos 57 partidas, e só consegui repetir o time em quatro. Neste ano, teremos de 76 a 78 jogos. Usaremos muito mais o grupo e todos precisam estar prontos", explicou. Odair ainda explicou que vê o elenco em um estágio mais avançado em relação ao ano passado. "Pude partir de um momento, um principio diferente, porque os jogadores já tem a informação, estão na movimentação. Se cria uma perspectiva de variações de característica e estamos trabalhando isso", afirmou.

Fonte: Diario de Cuiabá

Visite o website: diariodecuiaba.com.br